14
ago

Medina é vice na praia dos crânios quebrados

14 / ago
Publicado por Alexandre Gondim às 10:36

Visão incomum para teahupoo, voo de medina. Foto: WSL / Kelly Cestari

Mais uma vez o duelo entre Gabriel Medina e Julian Wilson terminou pior para o brasileiro.

No fim da noite de ontem,13/08, pelo horário do Brasil, Medina após passar por uma forte marcação, que pressionou o integrante dos Brazilians Storms ao ponto de haver contato físico entre eles, fez duas boas ondas que o colocaram, faltando 15 minutos de baterias, como campeão em Teahupoo, praia dos crânios quebrados, e seu oponente em combinação precisando de duas ondas boas para voltar à disputa.

Medina “air lines”. Foto: WSL / Kelly Cestari

Quando o comentaria de TV Renan Rocha, ex-top do circuito, que transmitia ao vivo o evento, já dava vitória garantida para o brasileiro e parecendo que Biel não estava sofrendo com a “catimba” do australiano, a bateria virou.

Julian abusou da “sorte” e competentemente fez as notas que precisava para chegar ao fim dos 35 minutos como grande campeão do Billabong Pro Tahiti.

Julian Wilson comemorando e indo “pra galera” no canal. Foto: WSL / Kelly Cestari

Os dois surfistas tinham se enfrentado pela última vez na final do Pipemasters de 2014 quando medina foi campeão mundial e em um resultado controverso onde muitos apontavam Gabriel como vencedor, Julian levou o tão cobiçado título de Pipemasters. Agora não houve dúvidas.

Adriano de Souza saiu precocemente do campeonato. Foto: WSL / Kelly Cestari

O outro brasileiro que fez bonto foi o também paulista Wiggoly Dantas que chegou as quartas de final contra o californiano de sangue latino Kolohe Andino. Esse resultado o levou Wig a décimo nono no ranking do CT.  Já Gabriel Medina pulou para sétimo com Adriano de Souza em sexto sendo o melhor brasileiro após as sete etapas.

Quem saiu do Tahiti bem feliz foi o sul africano Jordy Smith que dormiu ontem como número um do ranking mundial. Na próxima etapa em Trastles, California, ele vestira a lycra amarela reservada ao líder.

Jory Smith o número um . Foto: WSL / Kelly Cestari

A disputa do circuito de 2017 ganha um molho especial porque todos os campeões das etapas disputadas neste ano foram vencidas cada uma por surfistas diferentes, com isso, o ranking esta “embolado” podendo qualquer um dos 10 primeiros conquistarem o título mundial.

Acompanhem o desenrolar do CT aqui no BLOG DO SURFE

Abaixo a final entre Medina e Wilson no vídeo da WSL:

 

 


Veja também