10
ago

Gestão privada para colocar ordem nos terminais integrados de ônibus

10 / ago
Publicado por Roberta Soares às 8:00

Três terminais estão sendo geridos, desde julho, pelos empresários de ônibus. O TI da Macaxeira, um dos mais importantes e problemáticos do sistema, está entre eles. Fotos: Bobby Fabisak/JC Imagem

 

Saturados, porém necessários, alguns dos terminais integrados do transporte público da Região Metropolitana do Recife estão sob gestão terceirizada dos empresários de ônibus para tentar melhorar a operação e o atendimento à população. A experiência está sendo feita com três dos 24 terminais integrados de ônibus e metrô, que juntos atendem a quase cem mil passageiros por dia: Prazeres, Cajueiro Seco (em Jaboatão dos Guararapes) e Macaxeira (Recife), este último um dos mais problemáticos do sistema por ter uma estrutura física ultrapassada.

Não há qualquer custo para o sistema ou a população. Nós assumimos a gestão dos TIs e, em troca, melhoramos nossa operação e atendemos melhor nossos clientes. Estamos disponibilizando nossas máquinas para venda de créditos do VEM e expondo nossa marca. Ao mesmo tempo, quando o terminal funciona melhor, a operação do sistema também melhora. É aí que nós ganhamos”,

Fernando Bandeira, da Urbana-PE

A parceria entre o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Pernambuco (Urbana-PE) e o Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT) vem sendo tratada desde março último e, em julho, os testes começaram. Um convênio de cooperação técnica foi firmado entre as duas entidades para que a Urbana-PE assumisse os serviços de vigilância, limpeza, portaria, orientação de fila, manutenção predial e as despesas de água e energia dos TIs da Macaxeira, Cajueiro Seco e Prazeres.

A contrapartida do convênio, garante a Urbana-PE, vem da instalação de máquinas para venda de créditos do VEM e o melhor funcionamento dos terminais que garantem a otimização da operação do sistema

“Estamos fazendo uma experiência que já é adotada em sistemas de transporte como os de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Goiânia. Não há qualquer custo para o sistema ou a população. Nós assumimos a gestão dos TIs e, em troca, melhoramos nossa operação e atendemos melhor nossos clientes. Estamos disponibilizando nossas máquinas para venda de créditos do VEM e expondo nossa marca. Ao mesmo tempo, quando o terminal funciona melhor, a operação do sistema também melhora. É aí que nós ganhamos. Quando colocamos orientadores de filas e o embarque se torna mais rápido, melhoramos o serviço que oferecemos à população”, explica o presidente da Urbana-PE, Fernando Bandeira.

Em contrapartida pela gestão terceirizada, o governo do Estado autorizou a instalação de máquinas de compra e recarga dos cartões VEM pela Urbana-PE. O GRCT, assim como a Urbana, garantem que não há qualquer tipo de transferência de custou para o sistema de transporte, ou seja, para os passageiros que pagam a tarifa. Por email, o Grande Recife Consórcio destacou que cabe ao órgão avaliar a qualidade da prestação desses serviços e que continua responsável pela operacionalização e fiscalização das linhas dos três TIs.

Está bem melhor sim. Trabalho nesse terminal há 15 anos e nunca tinha sentido um cheiro bom no banheiro como senti esses dias”,

Etiene Muniz, do TI da Macaxeira

A manutenção dos terminais custa, por ano, R$ 4,7 milhões, segundo o GRCT. Essa seria a economia que o Estado estaria fazendo com a gestão terceirizada, o equivalente a 14% do custo total dos 24 terminais em operação na RMR, que recebem 1,3 milhão de passageiros por dia e custam R$ 33,6 milhões para serem operados anualmente. A ampliação do convênio para outros TIs, entretanto, vai depender da eficiência do modelo.

REPERCUSSÃO
Para usuários e permissionários ainda é cedo para fazer conclusões sobre a terceirização da gestão. O que todos ressaltam, entretanto, é que têm percebido uma melhora na limpeza dos terminais. “Está bem melhor sim. Trabalho nesse terminal há 15 anos e nunca tinha sentido um cheiro bom no banheiro como senti esses dias”, elogia Etiene Muniz, esposa de um dos cinco permissionários do Terminal da Macaxeira, por onde passam 53 mil pessoas diariamente.

Os ambulantes continuam dominando o terminal e precisam ser controlados. Ainda há muito para ser feito nessa mudança de gestão”,

Ednaldo Rocha, do TI Cajueiro Seco

Os elogios, entretanto, somem quando o assunto é a segurança e a invasão dos ambulantes nos TIs. Permissionários e passageiros ouvidos pela reportagem afirmam que ainda há muito a ser feito. Dizem que durante o dia o número de vendedores clandestinos diminuiu, mas no fim do dia e à noite, após às 20h, quando a fiscalização diminui, os ambulantes tomam conta das unidades, especialmente dos terminais da Macaxeira e de Cajueiro Seco. O TI de Prazeres, até por ter uma operação pequena – são apenas duas linhas de ônibus e oito mil passageiros/dia – é o que tem menos problemas e, consequentemente, reclamações.

“Não estamos satisfeitos com as mudanças porque a Urbana reduziu o número de seguranças armados. Antes, eram quatro homens e depois essa quantidade caiu para dois seguranças com armas. Agora, após a terceirização da gestão, são apenas dois ficais e um segurança armado. É muito pouco. Os profissionais não conseguem evitar a circulação dos ambulantes, prejudicando a venda dos produtos pelos permissionários que pagam mensalmente para comercializar nos quiosques”, critica o presidente da Associação dos Permissionários dos Terminais Integrados de Pernambuco, Jaziel Correia da Silva.

TI de Prazeres é o segundo terminal que está sendo administrado pela Urbana-PE. É o menor de todos, com apenas duas linhas e oito mil passageiros/dia

A entidade, inclusive, planeja protestos para breve. “Já denunciamos ao governo do Estado o problema dos ambulantes nos terminais integrados, que têm até gerado casos de violência, mas nada foi feito. Só pedem paciência. Pagamos mensalidades de até R% 500 e cansamos de esperar. Vamos fechar alguns TIs para chamar a atenção do governo”, prometeu.

A Urbana-PE explicou que o número de seguranças não foi reduzido. O que teria acontecido é uma mudança de estratégia por entender que não há necessidade de armar toda a segurança das unidades, o que seria até temeroso num caso de conflito.

O TI de Cajueiro Seco completa a lista de terminais que passaram para a gestão privada

 


Veja também