10
out

PRF apreende seis vezes mais veículos roubados nas estradas de Pernambuco

10 / out
Publicado por Roberta Soares às 8:00

Foto: Guga Matos/JC Imagem

 

O número de veículos roubados em Pernambuco aumentou em 2017. Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) revelam que o número de veículos recuperados nas estradas federais aumentou 6 vezes mais do que o mesmo período do ano passado. De janeiro a setembro deste ano foram apreendidos 222 veículos roubados nas BRs que cortam Pernambuco, enquanto que no mesmo período do ano passado esse número era bem menor – apenas 34 veículos apreendidos.

A polícia investe na capacitação das equipes para que as fraudes possam ser identificadas e em comandos específicos de fiscalização, que verificam tanto a documentação como os caracteres veiculares. Além disso, são levantadas informações sobre grupos que cometem esses crimes e são realizadas operações voltadas para combater esta pratica”,

Cristiano Mendonça, inspetor da PRF

Segundo o Inspetor Cristiano Mendonça, chefe de comunicação da PRF, os veículos roubados são utilizados para praticar diversos tipos de crimes, como roubo, tráfico de drogas e contrabando, além de serem revendidos por valores abaixo do mercado. “No momento da identificação, após uma verificação minuciosa nos caracteres do carro, a polícia constata que as placas desses veículos são frias, clonadas, ou seja, com a mesma numeração de veículos regularizados, da mesma marca, cor e modelo” afirma o inspetor Cristiano.

Quando o veículo é recuperado ele passa por um processo de vistoria para identificar se a placa foi clonada, já que as quadrilhas roubam os carros, modificam a placa e cometem outros crimes. Eles conseguem comprar essas placas através do mercado paralelo, mas há, também, casos de quadrilhas mais sofisticadas que produzem e fabricam placas frias”,

Mauro Cabral, delegado

O trabalho de fiscalização da polícia para coibir a ação desses criminosos tem sido intenso – garante a PRF -, mas as quadrilhas continuam agindo, estimuladas, principalmente, pela facilidade encontrada para clonar as placas e circular livremente pelo Estado, mesmo estando com os documentos do veículo adulterados.

LEIA MAIS
Os erros da restauração do contorno da BR-101 no Grande Recife
BR-101, no Grande Recife, é a rodovia da vergonha
Após 20 anos, duplicação da BR-101 em Pernambuco está mais perto do fim
BR-101: a rodovia da morte em Pernambuco
Bye, bye corredor de BRT na BR-101. Governo do Estado arquiva projeto por causa da crise

“A polícia investe na capacitação das equipes para que as fraudes possam ser identificadas e em comandos específicos de fiscalização, que verificam tanto a documentação como os caracteres veiculares. Além disso, são levantadas informações sobre grupos que cometem esses crimes e são realizadas operações voltadas para combater esta pratica” explica o inspetor. Números da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) mostram que, de janeiro a agosto de 2017, foram registrados 4.972 veículos roubados, que foram recuperados pelas Polícias Civil e Militar.

O delegado titular de Repressão aos Roubos e Furtos de Veículos, Mauro Cabral, explica que deste total boa parte são veículos clonados. “Quando o veículo é recuperado ele passa por um processo de vistoria para identificar se a placa foi clonada, já que as quadrilhas roubam os carros, modificam a placa e cometem outros crimes. Eles conseguem comprar essas placas através do mercado paralelo, mas há, também, casos de quadrilhas mais sofisticadas que produzem e fabricam placas frias”, explica o delegado.

 

 

Mauro Cabral alerta, ainda, para outra modalidade de crime que vem se tornado comum: a venda de veículos pela internet com placas clonadas, aplicativos que geralmente vendem os carros com preços mais atrativos, onde as quadrilhas se aproveitam da informalidade para aplicar golpes. “O problema é grave e persiste. A polícia tem trabalhado para combater a atuação dessas quadrilhas, mas é necessário uma ação em conjunto com outros órgãos fiscalizadores. Temos que aumentar o controle desse mercado paralelo que fabrica e revende placas fora da legalidade”, afirma o delegado.

Na tentativa de combater as fraudes e crimes envolvendo as placas veiculares, o Detran-PE publicou a portaria 1604/17, de 23 de maio deste ano, com medidas para a produção de placas veiculares. O objetivo da nova medida é combater os casos de clonagem de placas de veículos, além de reorganizar e redefinir os procedimentos operacionais de produção, distribuição e comercialização. Com tal medida, o Estado do Pernambuco tem conseguido diminuir os casos de roubos de veículos.

LEIA TAMBÉM
É indústria da multa sim
Justiça anula multas do farol baixo nas rodovias estaduais de Pernambuco
Ação judicial para cancelar multas do farol baixo em Pernambuco
Na dúvida, acenda o farol!

Segundo as regras do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), as placas veiculares devem ser produzidas por empresas credenciadas pelos órgãos executivos de trânsito dos Estados, sendo que o Detran-PE foi pioneiro em diferenciar duas categorias de empresas que atuam nesse setor, justamente para oportunizar o acesso a um número maior de empresas.

A portaria especifica que as placas devem conter o código QR para evitar clonagem e auxiliar num maior apoio operacional. Entre os novos parâmetros, fica determinado que tanto o fabricante (fornecedor das placas semiacabadas), quanto o estampador (estampa a combinação alfanumérica e emplaca o carro) são responsáveis por todo o processo.

Para isso é necessário que a empresa se adeque às exigências tecnológicas para permitir, assim, a segurança,  autenticidade, rastreabilidade e validação completa na realização dos procedimentos de produção, distribuição e utilização/descarte da placa veicular.


Veja também