10
fev

Nem pense em beber e dirigir no Carnaval 2018

10 / fev
Publicado por Roberta Soares às 19:00

Fotos: Miva Filho/SES

 

Os motoristas que insistirem em beber e dirigir durante o Carnaval 2018 devem se preparar para serem punidos em vias da Região Metropolitana do Recife, de acesso às praias e ao interior. A Operação Lei Seca (OLS), que há cinco anos funciona como política de saúde pública no Estado e já multou 34 mil motoristas, estará mais presente nas ruas para intimidar os condutores imprudentes. Os bloqueios da operação terão um incremento de 15% em relação ao Carnaval do ano passado e começaram desde sexta-feira.

LEIA TAMBÉM
Lei Seca completa cinco anos como política de saúde pública em PE e muda hábitos
Lei Seca agora com câmeras para evitar abusos
Crimes que ainda doem e indignam menos

Ao todo, serão realizados 85 bloqueios de fiscalização itinerantes, de manhã, à tarde, à noite e de madrugada, com foco nos principais corredores de acesso à folia e às praias. O esquema especial de Carnaval vai até a Quarta-Feira de Cinzas (14) e contará com todo o efetivo da operação, totalizando 210 profissionais, entre policiais militares, agentes do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE) e técnicos da Secretaria Estadual de Saúde – que coordena as ações da Lei Seca.

No total, a Operação Lei Seca irá às ruas com 73 blitzes de fiscalização e 12 educativas, que contarão com a presença de cadeirantes e muletantes vítimas de acidentes de trânsito. A meta da equipe da Lei Seca é abordar mais veículos, mas realizar menos autuações do que no Carnaval 2017, o que comprovaria uma maior conscientização dos condutores. A operação Carnaval do ano passado abordou 11.942 veículos, e realizou 115 autuações por alcoolemia, sendo seis por crime (quando o motorista excede 0,3 miligrama de álcool por litro de ar nos pulmões), 71 por recusa (quando o condutor se nega a fazer o teste do etilômetro) e 38 constatações (quando o consumo de bebida alcoólica fica comprovado pelo etilômetro). No total, 70 veículos foram rebocados e 617 motoristas multados – autuações relativas a outras infrações além da alcoolemia.

LEIA MAIS
Lei Seca pune apenas 12% dos motoristas com a suspensão da CNH em Pernambuco
Nova Lei Seca pernambucana também reduz mortes no trânsito
Lei Seca multa motoristas, mas ainda é lenta na hora de suspender CNHs. Menos de 10% dos condutores ficaram sem dirigir desde 2008

“Nosso objetivo com as ações deste Carnaval é reforçar para toda a sociedade que bebida e álcool não combinam. Com o esquema montado, a Operação Lei Seca terá acesso aos principais corredores de festividades no Grande Recife e interior, além das praias, com ações durante todo o dia. Iremos às ruas para reduzir o número de acidentados no trânsito pelo consumo de bebida alcoólica, ajudando a salvar vidas. Esse é o nosso compromisso”, afirmou o coordenador executivo da Operação Lei Seca, Fábio Bagetti.

 

 

Conduzir sob o efeito de bebida alcoólica está entre os cinco principais fatores de risco para a mortalidade no trânsito, segundo o governo Federal. E, apesar de ser enquadrada como um crime de trânsito – com penas de detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor –, só em 2015 mais de 40 mil pessoas foram flagradas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) dirigindo alcoolizadas.

Em Pernambuco, por ano, são gastos cerca de R$ 1 bilhão com os acidentados de moto, quantitativo utilizado na saúde, previdência e outras áreas. No setor de saúde, esse tipo de paciente tem impacto na lotação dos leitos de enfermarias e de UTIs, nas cirurgias eletivas, que precisam ser canceladas para que haja os atendimentos de urgência; e na reabilitação. Por isso, em 2011, o Governo de Pernambuco implantou a Operação Lei Seca no Estado, sob coordenação da Secretaria Estadual de Saúde. Antes, a Lei Seca era uma ação apenas de trânsito, criada ainda em 2008 pelo governo federal.


Veja também