03
set

Empresas apostam em processos seletivos tecnológicos; saiba como se preparar

03 / set
Publicado por Bruno Vinícius às 13:15

Por Bruno Vinícius

Num cenário em que o mundo passa por transformações tecnológicas, os processos de recrutamento não poderiam ficar de fora. Bancos de seleção dos recursos humanos começam a deixar o papel de lado e passam a investir em tecnologias que agilizam e aumentam a acertividade na contratação dos funcionários.

Empresas de tecnologia, da construção civil e de comésticos estão adotando métodos como maratonas de programação, imersão no ambiente de trabalho e inteligência artificial para ampliar o contato dos candidatos com as futuras atividades laborais. Devido a isto, os futuros profissionais devem estar preparados para enfrentar recrutamentos que desafiem suas ideias em campos de diversas áreas do conhecimento.

Uma das empresas que passaram a transformar sua forma de contratação foi MV, que é especialista em soluções tecnológicas para gestão em saúde. Pensando em estimular a criatividade dos candidatos, a gestão de recursos humanos lançou o Desafio MV este ano. Logo na primeira etapa do desafio, os selecionados tiveram que responder a um questionário envolvendo conhecimentos das áreas de lógica, de programação, Java, SQL, PLSQL, HTML e Arquitetura.

LEIA TAMBÉM

Saiba como se inscrever no processo seletivo de estágio da Caixa

GPL-PE tira dúvidas sobre mestrado e doutorado em Portugal

 

Depois dessa fase, a empresa lançou um hackaton, maratona de programação em que os desafiados recebem um problema para solucioná-lo em determinado tempo. “A proposta era estimular a criatividade dos candidatos com um hackathon. Eles passaram um dia em uma maratona de programação para solucionar um problema proposto pelos gestores”, explica a diretora de gestão e gente da MV, Luciana Leão.

Na Moura Dubeux, o programa de estágio foi reformulado há dois anos. O objetivo era integrar 11 estudantes das engenharias civil e de produção e de arquitetura e urbanismo com atividades desenvolvidas na construtora por dois meses. Depois dessa etapa, quatro seriam escolhidos para compor a empresa por dois anos.

Inteligência 

“O resultado foi tão positivo para gente que acabamos contratando todos os estagiários. Não é uma experiência comum no mercado, mas o filtro de seleção inicial foi tão bom que conseguimos esse feito, com a prova de português, matemática e lógica aplicada. O que recomendamos é que os candidatos venham com uma carga de conhecimento escolar forte, não apenas o saber da área que ele está se graduando”, frisa a coordenadora de RH, Ângela Frutuoso.

Já a Natura aposta na inteligência artificial na correção do seus exames. “Todo o nosso processo foi feito online, desde a inscrição dos candidatos a provas. Tudo isto foi muito positivo, porque tivemos uma grande acertividade e a digitalização da seleção reduziu metade do tempo para contratação”, afirma a gerente de recrutamento Fabiana Nakazone. Apesar do processo não ter sido pessoal, os candidatos tiveram retorno do desempenho.


Veja também