16
dez

Uso e tráfico de drogas em metrô

16 / dez
Publicado por Letícia Lins às 8:30

Passageiro e condutor reclamam de consumo e tráfico de drogas em metrô e também de invasão de áreas de segurança. Foto do leitor
Passageiro e condutor reclamam de consumo e tráfico de drogas em metrô, e também de invasão de áreas de segurança. (Foto do leitor)

 

Passageiros e servidores do metrô denunciam  uso e tráfico de drogas nas estações. Na manhã da terça-feira, leitor Herivelton José da Silva deparou-se com dois rapazes fumando cigarros de maconha na Estação Mangueira. Pediu providências ao vigilante, mas de acordo com e-mail enviado ao JC nas Ruas, o segurança não tomou nenhuma providência. “Se estiver incomodado, ligue para o 190″, teria dito o vigilante. Já cansado do excesso de ambulantes (alguns destes seriam marginais disfarçados) em vagões e plataformas, e da frequência de cenas como a de ontem, ele resolveu denunciar o abuso e a indiferença.  A Companhia Brasileira de Trens Urbanos informou que não tem conhecimento nem do consumo nem da venda de drogas nas plataformas. E disse acreditar que as ocorrências não sejam “dentro das estações”.

Mas um condutor dos trens, que pediu para não se identificar,  não só confirmou a informação de Herivelton, como precisou horários e locais onde os problemas ocorrem. “Consumo de drogas é um fato corriqueiro. Já observei nas estações e também nas áreas de segurança invadidas por populares. Há locais onde o que se vê não é só consumo, mas sim o tráfico, boca de fumo mesmo. Um dos exemplos é a Estação de Cavaleiro, em Jaboatão dos Guararapes”, diz ele, referindo-se ao município da Região Metropolitana que fica vizinho ao Recife. E cita os horários, onde as práticas são mais comuns. “Entre seis e oito da manhã, no final da tarde e de madrugada”, disse. E contou que isso ocorre em “área mais escura” da plataforma.

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos estranhou a atitude do vigilante.  Disse que o procedimento, se ocorreu, não foi correto. E que fato vai ser apurado. Orientou o passageiro a encaminhar a denúncia à Ouvidoria (39728733) , ou ligar para o Metrô Denúncia (34554566), que funciona em regime de 24 horas. O condutor disse, ainda, que é comum a invasão de áreas de segurança, havendo locais onde populares procuram o isolamento ao lado dos trilhos para consumo e tráfico de drogas. CBTU reconhece que tem poucos seguranças. “Infelizmente o número não é suficiente para o tamanho do sistema. Por isso, estamos sempre solicitando reforço no quadro, mas devido às dificuldades orçamentárias que o país atravessa, não temos o quantitativo ideal”, informa em nota enviada ao JC nas Ruas.  Às margens da linha férrea,  móveis são abandonados, como se observa na foto, entre o muro que deveria isolar a população dos trilhos por onde passa o trem.

Leia mais:

Assaltos inquietam usuários de ônibus na Região Metropolitana do Recife

Trabalhadores dizem que risco de acidente é grande em linha do metrô

Grade danificada impõe risco, inclusive de atropelamento em linha do metrô

Cadeirantes vão ter que enfrentar espera de seis meses por elevador do metrô

CBTU estuda aumento de efetivo de seguranças do metrô

VLT volta a circular nessa quinta-feira, diz CBTU

Em negociação com CBTU, metroviários descartam paralisação


Veja também