21
nov

Novo ministro das Cidades promete redistribuir contratos de MCMV acertados por Bruno Araújo

21 / nov
Publicado por Fernando Castilho às 19:33

 

Uma confidência do deputado federal Alexandre Baldy, após assumir em 22 de novembro o Ministério das Cidades, faria outra redistribuição das novas 54.089 unidades habitacionais a serem contratadas no Programa Minha Casa, Minha Vida, alterando a portaria que as destinou a 260 municípios de 26 Estados promete incendiar o setor da construção civil no Brasil.

Baldy escolhido para ocupar a pasta das Cidades deve ser pressionado pelos deputados do PP para realocar os contratos já definidos pelo ex-ministro Bruno Araújo do PSDB-PE o que deve provocar uma onda de protestos pelo Brasil. O PP era quem mais vinha reclamando do Araújo.

Segundo o ministro há intenção de fazer essa redistribuição atendendo ao PMDB e ao Centrão, sob a alegação de que a distribuição feita anteriormente pelo Ministério teria beneficiado Estados governados por tucanos ou partidos de oposição ao governo Temer.

Ao menos no caso de São Paulo, está suposição não é verdadeira diz o Sunduscom-SP. O critério adotado pelo Ministério das Cidades foi fazer uma divisão proporcional ao déficit habitacional de cada Estado, em relação ao déficit habitacional do país.

Estudo da Fundação João Pinheiro mostra que São Paulo tem uma carência habitacional de 1.308.685 unidades, portanto, 24,6% do déficit habitacional estimado do Brasil.

Em consequência, a distribuição do Ministério das Cidades foi criteriosa e até concedeu a São Paulo uma parcela de contratações ligeiramente abaixo daquilo que seria exatamente proporcional à participação do Estado no déficit habitacional brasileiro.

Desta forma, o SindusCon-SP espera que o critério adotado pelo Ministério, de proporcionalidade em relação ao déficit nacional, seja mantido no caso do Estado de São Paulo.


Veja também