21
abr

O fondue com sabor de história da Taverna Suíça

21 / abr
Publicado por Leonardo Vasconcelos às 9:34

Taverna Suíça

 

Uma boa dúvida. Isto é o que se tem na hora sair para comer em Gravatá. O questionamento positivo se deve ao fato da cidade, no Agreste do Estado, ser conhecida pela excelente gastronomia. São diversos bons restaurantes de todos os tipos e portes. No friozinho da noite gravataense nada melhor do que saborear um delicioso fondue e um bom vinho. A melhor opção para isso, sem dúvida, é a antiga e famosa Taverna Suíca.

Leia mais:

Clima de fazenda no Portal de Gravatá

Folga é sinônimo de fazer trilha off-road em Gravatá

Gravatá tem passeio de cavalo pra todos os gostos

A aventura do rapel na Ponte Cascavel em Gravatá

 

Taverna Suíça
Foto: Divulgação

 

Aberto em 1968, foi um dos primeiros restaurantes a servir o típico prato suíço. O fundador foi o suíço José Luiz Truann. O neto dele Joe Henry é quem conta a história. “Meu avô ele buscava um lugar de clima agradável aqui em Pernambuco e acabou gostando daqui de Gravatá. Ele construiu o primeiro hotal da cidade e em seguida fundou o restaurante. Ele foi pioneiro ao servir a fondue pela primeira vez no Nordeste e um dos primeiros no Brasil. Era um prato suíço que ninguém conhecia e hoje em dia todo mundo aprecia”, explicou Joe.

 

 

O sucesso da Taverna Suíça fez com que ele virasse um marco no turismo interiorano de Pernambuco. “As pessoas do Recife passaram a vir para cá para saborear o prato diferente e curtir o clima frio da cidade. Então era uma aventura, a estrada antigamente era meio perigosa, mas mesmo assim o pessoal vinha”, contou.

Joe explicou que o avô teve de adaptar a receita para os pernambucanos. “Na Suíça a fondue é muito forte com um queijo meio amargo então ele teve que adaptar ao gosto local e foi um sucesso. Pessoas que vinham antes com os pais hoje trazem seus filhos e até netos”, disse.

 

Taverna Suíça
Foto: Divulgação

 

A mãe de Joe e esposa do fundador, Madalena Truan, lembra de como foi o início do restaurante e se sente orgulhosa pelo que construíram. “As pessoas não sabiam o que era e nem sabiam comer. Era preciso ensinar. Sinto muito orgulho do meu marido que começou tudo isso. Foi dele essa façanha”, afirmou a matriarca da família.

 

 

No local claro que o #blogmochileo provou do tão falado fondue, que faz juz à grande fama. Servidos em generosas porções para uma ou duas pessoas, os pratos são bonitos e saborosos. O ritual é simples: pegar os pedaços de pão com os espetos e depois molhá-los no queijo quente. Depois experimentamos o chamado fondue de carne. Neste caso, as tiras de carne vem cruas e com o espeto são levadas para a chapa quente de pedra. As duas opções são boas e deliciosas. Uma degustação especial com sabor de história de Pernambuco.

 

REDES SOCIAIS:

*Acompanhe o @blogmochileo também pelo Instagram, Twitter, Facebook e Youtube.

 


Veja também