10
jan

Cai o número de famílias endividadas no Estado, segundo Instituto Fecomércio-PE

10 / jan
Publicado por Bianca Bion às 7:05

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

 

 

O percentual de endividados caiu no Estado em um ano, passando de 68,3% para 66,9%, de acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) do Instituto Fecomércio-PE. Isso significa que aproximadamente cinco mil famílias conseguiram se livrar de dívidas relacionadas a cartão, carnê, cheques pré-datados, empréstimo, financiamento de carro ou da casa própria, entre outras modalidades de crédito, de dezembro de 2016 a dezembro de 2017. Apesar de representar uma pequena retração em um universo de 338.629 endividados, os números mostram que as pessoas estão dando mais importância para a educação e o planejamento financeiros.

“Essa queda de cinco mil famílias é importante. Em 2016, havia um cenário de crise muito pior do que esse que vivemos agora. A partir disso, as pessoas tiveram mais consciência em relação ao consumo e a contração de dívidas. A gente verifica uma família mais educada financeiramente”, afirma o economista do Instituto Fecomércio-PE, Rafael Ramos.

LEIA TAMBÉM

» Procon constata diferença de até 1.095% em preços de material escolar no Recife

» Depois da Black Friday, vem a Cyber Monday; fique atento a seus direitos

» Dois em cada cinco consumidores que vão presentear este ano estão com nome sujo por causa das compras do Natal de 2016

Ele diz ainda que houve controle financeiro até mesmo com a recuperação do poder de compra. Segundo a PNAD contínua trimestral do terceiro trimestre de 2017, o rendimento médio mensal da população ocupada passou de R$ 1.673 para R$ 1.707 entre o segundo e o terceiro trimestre. Um dos principais fatores é a inflação abaixo do piso da meta.

Um exemplo de pessoa que resolveu modificar os hábitos é a enfermeira Tellyclea Pereira, 26 anos. Ao perceber que toda a sua renda era destinada para o pagamento de dívidas, realizou um planejamento financeiro e cortou tudo que era supérfluo. “Há seis meses, eu tinha muitas contas, não atrasava o pagamento, mas não conseguia poupar. Cortei passeios e lanches, por exemplo. Hoje, eu já consigo guardar dinheiro para o futuro, principalmente para os estudos da minha filha de 8 anos”, comenta.

Na passagem de novembro para dezembro, mais de 12 mil famílias ficaram endividadas. Essa alta é esperada no período de fim ano por causa de datas importantes para o varejo, como Black Friday e os festejos natalinos. Entre os 338.629 endividados registrados em dezembro de 2017 no Estado, cresceu o número de famílias que estão com contas atrasadas, que representam 29,2% da população, ou que não terão condições de pagar as dívidas, 18% da população. A elevada taxa de desemprego em Pernambuco influencia os números.

Das 900 famílias entrevistadas, a maior parte recebe até dez salários mínimos, compromete entre 11% e 50% da renda, atrasa contas há mais de 90 dias e só deve conseguir folga no orçamento em três a seis meses. Os principais tipos de dívida estão relacionadas a cartão de crédito (94,3%), carnês (20,7%) e cheque especial (8,6%). Ainda são citados financiamento do carro (5,4%) ou da casa (4,7%).

A previsão é de que o momento de elevação no número de endividados deve seguir em janeiro, quando há muitas contas a pagar, como impostos e material escolar. Por isso, é importante se planejar. Para a educadora e terapeuta financeira da Dsop Educação Financeira no Recife, Luciana Menezes, os endividados precisam conhecer a receita e as despesas, depois elencar as dívidas mais importantes. “Algumas dívidas podem agregar valor se estiver dentro da realidade financeira, como financiamento de uma casa. A pessoa também deve tentar mexer com o padrão de vida, se não consegue pagar as dívidas”, diz.

ENQUETE


Veja também