29
Jun

Governo Temer quer usar R$ 30 bilhões de depósitos judiciais para financiar concessões e PPPs

29 / Jun
Publicado por Giovanni Sandes às 7:06

Ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB).
Ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB).

 

O governo interino de Michel Temer (PMDB) mapeou fontes de recursos, R$ 50 bilhões, para financiar concessões e parcerias público-privadas (PPPs). Parte, R$ 20 bilhões, virão do FI-FGTS, fundo conhecido de infraestrutura, que já financia concessões. A maior fatia, porém, de R$ 30 bilhões, é novidade: viria das aplicações de depósitos judiciais de particulares, que seriam vinculados à área de infraestrutura.

Ministro das Cidades prepara novo programa de habitação, com “modelo social do PSDB”

Temer acerta ao colocar economia em primeiro plano, diz Lavareda em entrevista ao Roda Viva

Quando alguém vai à Justiça por dinheiro, o valor é depositado em juízo – daí “depósito judicial”. Mas ele não fica ali parado. O Judiciário vai ao banco e faz um contrato. O dinheiro é aplicado, gera lucro para o banco e o Tribunal, e ainda é atualizado.

Na crise, em 2015 uma lei de autoria do então senador José Serra (PSDB) permitiu a Estados e municípios sacarem depósitos judiciais de casos em que são parte, para fazerem caixa. Houve reação de magistrados. Leis estaduais que regulamentaram o uso dos depósitos em Minas Gerais e Ceará foram parar no STF.

Presidente do TJPE critica decreto de Pernambuco que transfere depósitos judiciais para conta do Estado

Primeiro desembargador do País a usar PEC da Bengala para não se aposentar sai da ativa no TJPE

Porta-voz da primeira reunião do Núcleo de Infraestrutura de Temer, Bruno Araújo (PSDB), ministro das Cidades, diz: a ideia não é sacar. Os bancos é que teriam de aplicar em infraestrutura.

Talvez não seja à toa o apoio de Temer ao reajuste de 41,5% do Judiciário. Isso pode viabilizar politicamente o “Plano Temer”.

 COMPARADO À CARTA AOS BRASILEIROS

Para quem não lembra, a menção a um “Plano Temer” vem desde o ano passado, quando o PMDB já vinha preparando um plano de governo para o vice-presidente, caso ele assumisse o País. Oficialmente, contudo, se falava que era uma plataforma eleitoral para 2018.

Moreira Franco, hoje responsável pelo programa de parcerias e PPPs de Temer, em novembro de 2015 falou na condição de presidente da Fundação Ulysses Guimarães e chamou pela primeira vez o documento Uma Ponte Para o Futuro, do PMDB, de Plano Temer. E comparou o documento à “Carta aos Brasileiros”, lançado pelo ex-presidente Lula (PT) em 2002 antes de assumir o poder.

Veja o “Plano Temer”, comparado pelo PMDB à Carta aos Brasileiros, de Lula em 2002

Fotógrafo registra os melancólicos últimos dias de Dilma no Planalto

Desde então, a saída construída pela equipe de Temer para reativar os investimentos em infraestrutura é claramente o setor privado, através das concessões e PPPs. O governo começa, então, a deixar claro como pensa em viabilizar os recursos, mesmo na crise. E fez um desenho que deve reduzir drasticamente a resistência do Judiciário.

Afinal, na prática o dinheiro seguirá gerido pela Justiça. E a promessa seria de rentabilizar os recursos com as aplicações nos investimentos em infraestrutura.


Veja também