17
jun

Frente Popular, aliança de Paulo Câmara, passa por fase de dispersão

17 / jun
Publicado por Giovanni Sandes às 7:40

Governador Paulo Câmara. Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem

 

Os sinais mais evidentes da saída de ambos, o ministro das Minas e Energia, Fernando Filho, e seu pai, senador Fernando Bezerra Coelho, do PSB, trazem de volta à Frente Popular um sentimento de dispersão da aliança político construída no entorno do governador Paulo Câmara (PSB). Ainda que esta dispersão eventualmente se prove temporária, o fato é que a política local passa por um realinhamento de forças.

 

PSB se junta a PT e pede Diretas Já. “Bandeira não pode ser de um só partido”, diz socialista

Arena: delator da Odebrecht pede para ser investigado no STF, junto de Paulo Câmara, Geraldo Júlio e FBC

 

Partidos como PDT e PCdoB, por exemplo, intensificaram o diálogo no outro espectro da política estadual, ao abrir a porta para o PTdoB do deputado federal Silvio Costa. E o PSDB e o DEM, convidados a deixar a Frente, ano passado, mantêm sua postura arisca diante do PSB.

Claro, é preciso calma neste ambiente político instável e ao mesmo tempo tão dinâmico. Será que em 2018 PSDB e DEM não poderão retornar à Frente Popular, como sugerem nomes do PSB nos bastidores? Há espaço para um terceiro palanque estadual, como ventila a oposição?

 

Ressaca na base de Temer após PSDB seguir no governo. E os tucanos de Pernambuco?

Novo presidente do PSDB de Pernambuco, Elias Gomes defende saída dos tucanos do governo Temer

 

Boa parte dessas perguntas será respondida mais adiante, quando ficar mais claro o destino de FBC e seu filho ministro. O que se diz a respeito do caso é que no PSB eles não ficam.


Veja também