08
abr

“Se aproveitou da condição de vizinho para cometer crime bárbaro”, diz juíza sobre Caso Mirella

08 / abr
Publicado por Raphael Guerra às 12:27

Comerciante suspeito de assassinar fisioterapeuta negou crime à polícia. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Comerciante suspeito de assassinar fisioterapeuta negou crime à polícia. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Em decisão sobre a prisão preventiva do comerciante Edvan Luiz da Silva, de 32 anos, suspeito de assassinar a fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo, 28 anos, em um flat em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, a juíza Blanche Maymome foi enfática: “A conduta criminosa supostamente cometida pelo autuado fere concretamente a ordem pública, causando clamor social pelos requintes de crueldade como foi praticado, constando informações, inclusive, de ter havido violência sexual, tudo demonstrando a periculosidade do agente (Edvan)”.

Durante a audiência de custódia para definir se o comerciante iria ter a prisão preventiva decretada, na quinta-feira (06), a magistrada ainda destacou, na decisão, que o depoimento de uma testemunha revela que o suspeito “já assediava moças e as convidava para consumo de entorpecentes e supostamente se aproveitou da condição de vizinho da vítima para cometer o crime de forma bárbara”. Outro depoimento semelhante, de uma vizinha, reforça a tese, conforme publicado nessa sexta-feira (07), no Ronda JC.

A audiência de custódia contou com a presença de 11 pessoas: além da juíza e do suspeito, estavam presentes dois advogados de defesa, um promotor de Justiça, uma servidora do Fórum Rodolfo Aureliano, e mais quatro policiais militares. Como medida de segurança, para preservar a integridade física de todos, o comerciante permaneceu algemado. Questionado sobre o crime, Edvan Luiz permaneceu calado. A juíza, então, passou a palavra ao Ministério Público que opinou pela prisão preventiva do suspeito. A defesa solicitou a liberdade provisória. A Justiça, porém, decidiu pela prisão preventiva.

Leia Também: Gleide Ângelo assume Departamento de Polícia da Mulher

Isolado no Cotel

Edvan Luiz está no Centro de Observação e Triagem (Cotel) desde a noite da quinta-feira. Está isolado dos outros presos, como medida de segurança para evitar que ele sofra algum tipo de violência. Na próxima semana, a Polícia Civil deve concluir o inquérito sobre o caso.

Leia Também

A cada 17 minutos, uma mulher é vítima de violência em Pernambuco

Jornalista tenta registrar queixa em várias delegacias do Recife. E faz desabafo

 

 

 


Veja também