04
dez

Caso Betinho: novo laudo inocenta um dos acusados do crime

04 / dez
Publicado por Raphael Guerra às 7:30

Professor do colégio Agnes foi encontrado morto dentro do apartamento onde morava, no Centro do Recife

O assassinato do coordenador pedagógico José Bernardino da Silva Filho, o Betinho, 49 anos, está longe de um desfecho. Na última sexta-feira (1º), peritos do Instituto de Criminalística de Pernambuco entregaram à Justiça um novo laudo que pode inocentar um dos acusados do crime. O documento aponta que a digital encontrada em uma das cômodas da residência onde a vítima morava, no Edifício Módulo, no Centro do Recife, em maio de 2015, não era do estudante Ademário Gomes da Silva Dantas – apontado pela Polícia Civil como um dos autores do homicídio de Betinho. O laudo confirma o resultado de outro exame feito por peritos federais do Instituto Nacional de Identificação, confeccionado também a pedido da Justiça. O Ronda JC teve acesso com exclusividade aos novos laudos.

As digitais encontradas na casa de Betinho foram a principal prova apresentada pela Polícia Civil para afirmar que Ademário e outro suspeito – na época um adolescente de 17 anos – eram os assassinos do coordenador pedagógico. Isso porque o primeiro laudo, produzido por dois peritos papiloscópicos, identificou que as digitais pertenciam aos dois acusados. A defesa dos mesmos contestou os resultados e, em audiências de instrução e julgamento, solicitaram uma perícia federal. Em ambos os resultados, os peritos federais contestaram o laudo estadual e afirmaram que aquelas digitais encontradas não eram dos acusados. Os dois eram estudantes do Colégio Agnes, onde Betinho também trabalhava. Ademário, inclusive, é filho de um dos diretores da instituição.

Novo laudo afirma que digital era do próprio Betinho

Com a divergência, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) solicitou uma terceira perícia. A Justiça atendeu ao pedido e determinou que a Polícia Científica designasse peritos para confecção do novo laudo. Dessa vez, coube ao Instituto de Criminalística o exame. “Os peritos criminais não constataram convergência entre as impressões apostas no prontuário civil e o fragmento da impressão papilar (…) A impressão questionada encontrada no local de homicídio foi produzida pelo polegar direito do Sr. José Bernardino da Silva Filho”, informou o laudo assinado pelos peritos Gilson Freitas e Enock dos Santos. Na conclusão deles, aquela digital não era de Ademário, mas do próprio Betinho.

O laudo, que já está com a Justiça, deve ser analisado nas próximas semanas pelo Ministério Público, que vai dar um parecer sobre o resultado. Só então o juiz responsável deve se posicionar sobre as novas etapas do processo – que só diz respeito à acusação contra Ademário. A próxima audiência do caso está marcada para 23 de fevereiro de 2018. O advogado de defesa de Ademário, Jorge Wellington, informou, por telefone, que “vai pedir a absolvição sumária do réu ou o trancamento da ação penal”.

O outro acusado responde perante a Vara da Infância e Juventude. Esse processo, porém, está sob segredo de Justiça.

O professor, que morava sozinho, foi encontrado morto e amarrado nos pés e no pescoço, com fios de eletrodomésticos. A perícia apontou que ele morreu devido a golpes de ferro de passar na cabeça. O crime aconteceu em 16 de maio de 2015. Supostas digitais do então adolescente foram encontradas em um ferro de passar, mas isso também está sendo contestado pela defesa.

O inquérito policial foi conduzido pelo delegado Alfredo Jorge, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Na época, apesar das provas, o delegado afirmou que não conseguiu precisar qual seria a motivação do crime. Desde a conclusão das investigações, ele optou por não se pronunciar mais sobre o caso – já que o processo está com a Justiça.

PERITOS RECONHECEM ERRO

O Ronda JC também teve acesso a um ofício enviado à Justiça pelos peritos papiloscópicos responsáveis pelo primeiro laudo do Caso Betinho. O documento foi encaminhado em julho deste ano, mas só agora veio à tona. Nele, os peritos pedem para fazer uma retificação parcial do laudo. Eles afirmam que, após tomarem conhecimento do resultado do laudo feito pelos peritos federais, fizeram uma nova análise da digital e se convenceram de que foram induzidos a um “falso positivo”. Mais a frente, reconheceram o erro e confirmaram o resultado do laudo federal. Os peritos destacaram a avançada tecnologia usada pelo Instituto Nacional de Identificação na identificação de digitais – procedimento que, segundo eles, ainda não está disponível em Pernambuco. O ofício foi assinado pelos peritos Adenaule Geber, Sidney Bezerra e Ricardo Freitas.

LEIA TAMBÉM

Caso Serrambi: quem matou Tarsila e Maria Eduarda?

Tragédia na Tamarineira: universitário deve ser transferido de presídio

Promotores de Justiça deixam investigações sobre morte da menina Beatriz

Caso Arturo Gatti: morte de lutador completa sete anos ainda com muitas dúvidas

 

 


Veja também