09
jan

Tamarineira: Justiça nega prisão domiciliar para estudante que provocou acidente

09 / jan
Publicado por Raphael Guerra às 7:05

Motorista que causou acidente trágico na Tamarineira está no Cotel. Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

A Justiça negou o pedido de prisão domiciliar para o estudante João Victor Ribeiro de Oliveira Leal, de 25 anos, que está preso preventivamente desde 26 de novembro de 2017, após provocar um grave acidente que matou três pessoas e deixou outras duas gravemente feridas no bairro da Tamarineira, na Zona Norte do Recife. Ele está no Centro de Observação e Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, onde aguarda julgamento por triplo homicídio doloso (com intenção de matar) duplamente qualificado e por dupla tentativa de homicídio.

A decisão de negar o pedido da defesa do réu foi tomada pelo juiz Ernesto Bezerra Cavalcanti, da 1ª Vara do Júri da Capital. Consultado pela Justiça em dezembro, o Ministério Público também já havia dado parecer negativo ao pedido de prisão domiciliar. No despacho, Cavalcanti afirmou que o “fundamento apresentado pela defesa não pode ser acolhido, em face da extrema gravidade do delito, ausência de documentação idônea do alegado, ausência de comprovação de sua premente necessidade, pelas circunstâncias e gravidade dos delitos, impondo-se, por isso, seu encarceramento para defesa da ordem pública e credibilidade da Justiça”.  A decisão foi tomada na última quinta-feira, mas somente nessa segunda-feira (08) foi confirmada pela assessoria do Tribunal de Justiça de Pernambuco ao Ronda JC.

No pedido feito à Justiça, a defesa alegou que o estudante precisava de tratamento contra problemas mentais.

DENÚNCIA

O estudante João Victor foi denunciado à Justiça em 07 de dezembro de 2017, três dias após a Polícia Civil concluir o inquérito que apurou o grave acidente na Tamarineira. Diferente do entendimento da polícia, o MPPE decidiu que o indiciamento por triplo homicídio e por duas lesões corporais graves deveria ser mudado para triplo homicídio duplamente qualificado e duas tentativas de homicídios. A promotora destacou ainda duas qualificadoras para o crime: prática delitiva que resultou em perigo comum àqueles que trafegavam naquelas vias públicas, motoristas, motociclistas, ciclistas e/ou pedestres e a impossibilidade de defesa das vítimas.

O MPPE também requereu a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação do denunciado e a posterior declaração de inabilitação para dirigir veículo. “Um automóvel nas mãos do denunciado é um instrumento para a prática de crimes”, pontuou a promotora.

 

O ACIDENTE

Mistura de álcool, direção e alta velocidade provocaram tragédia na Tamarineira. Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

O veículo conduzido por João Victor Ribeiro Leal bateu contra o veículo onde estavam as vítimas fatais Maria Emília Guimarães da Mota Silveira, Roseane Maria de Brito Souza e Miguel Arruda da Motta Silveira Neto; e Miguel da Motta Silveira e Marcela Guimarães da Motta Silveira, que foram vítimas dos homicídios tentados. O primeiro já recebeu alta, mas a filha dele continua internada em um hospital particular.

A tragédia ocorreu no cruzamento da Avenida Rosa e Silva com a Rua Cônego Barata, na Tamarineira. Perícia revelou que o estudante estava a 108 km/h, quando o máximo permitido na via era de 60km/h. Além disso, avançou o sinal vermelho. No dia acima citado foi realizado o teste de alcoolemia no imputado, tendo sido registrado nível de 1,03 miligrama de álcool por litro de ar, patamar mais de três vezes superior ao limite permitido por lei.

LEIA TAMBÉM

Quase 100 homicídios já foram registrados neste ano em Pernambuco

Há dois anos no STJ, pedido de novo júri para o Caso Serrambi segue indefinido

Polícia conclui primeiro inquérito e indicia namorado de Remís Costa

 

 


Veja também