05
fev

Policiais que prenderam suspeito de ritual satânico serão investigados

05 / fev
Publicado por Raphael Guerra às 11:05

Homem de 26 anos foi preso suspeito de ritual satânico em Moreno. Foto: Cortesia

A Justiça determinou que os policiais responsável pela prisão do homem suspeito de um ritual satânico na cidade de Moreno, na Região Metropolitana do Recife, sejam investigados. Em audiência de custódia, realizada na última sexta-feira (2), Diego José Minervino Anjos dos Santos, de 26 anos, afirmou que foi agredido pelos policiais. Na audiência, o suspeito teve a prisão preventiva decretada.

A juíza plantonista Ana Marques Véras determinou que um ofício seja encaminhado à Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) para que a denúncia de agressão seja investigada. Durante a audiência, a defesa do suspeito solicitou que a prisão fosse convertida pela liberdade provisória, mas a magistrada não aceitou. Ele já está no Centro de Observação e Triagem (Cotel), em Abreu e Lima.

Diego Minervino, que inicialmente foi identificado como um pai de santo, foi preso em flagrante por ocultação de cadáver após partes de um corpo humano serem encontradas dentro de um balde na casa dele, em Moreno. À imprensa, o suspeito afirmou que praticou um “ritual de magia negra” e que iria ficar rico. As informações eram muito desconexas e pouco ajudaram a polícia.

O caso está sendo investigado pelo delegado Felipe Monteiro.Ele acredita que os restos mortais encontrados podem ter ligação com o tronco de uma pessoa achada no Rio Jaboatão, em Moreno, no dia 13 de janeiro. Os pedaços do corpo foram encaminhados ao Instituto de Medicina Legal (IML), para que fossem feitos exames de DNA.

Ao final das investigações, o suspeito pode ser indiciado também por homicídio.

LEIA TAMBÉM

Um novo suspeito será investigado pela morte do professor Betinho

Justiça define data de audiência do Caso Itambé

Acusado de assassinar a estudante Remís Costa vira réu

Condenação dos Canibais de Garanhuns completa 3 anos. Caso terá novo júri


Veja também