09
jul

Pela 5ª vez, Caso Beatriz pode ter novo delegado

09 / jul
Publicado por Raphael Guerra às 8:46

Beatriz foi morta com 42 facadas em colégio particular de Petrolina. Crime continua sob mistério. Foto: Arquivo Pessoal

Sem solução, a investigação sobre o assassinato da menina Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, em Petrolina, deve ganhar mais um capítulo nos próximos dias. O caso pode ser repassado para outro delegado – o quinto desde a abertura do inquérito há quase dois anos e sete meses.

A atual responsável pela investigação, a delegada Pollyanna Neri, explicou que no mês passado foi removida do cargo de gestora na Diretoria Integrada do Interior 2 da Polícia Civil. Ela agora é adjunta da Delegacia de Homicídios de Petrolina. “Por enquanto ainda estou com o caso, mas, como eu fui rebaixada, estou aguardando a definição da Chefia da Polícia Civil. Não sei se vou continuar com esse inquérito”, afirmou ao Ronda JC.

O inquérito que apura o assassinato brutal de Beatriz continua sob sigilo por determinação da Justiça. Até hoje, nenhum suspeito de participação no crime foi preso.

Nesta terça-feira (10), a morte da menina completa mais um mês sem solução. Quatro delegados já foram responsáveis por presidir o inquérito, mas nenhum conseguiu desvendar o mistério que cerca a motivação do assassinato.

No início do ano passado, a Polícia Civil divulgou a imagem de um suspeito que possivelmente entrou no colégio particular, onde acontecia uma festa de formatura, e matou a menina. Uma câmera flagrou o suspeito do lado de fora, mas nenhuma imagem do lado de dentro registrou a dinâmica do crime.

Mesmo com a imagem desse suspeito, que foi divulgada nacionalmente, a Polícia Civil ainda não conseguiu descobrir a identidade do homem para esclarecer o crime. Cerca de 100 pessoas já passaram por exames de DNA, mas o confronto do material genético deu negativo em relação ao encontrado nos restos mortais da menina. 

HISTÓRICO

O corpo de Beatriz Motta foi encontrado com várias lesões provocadas por faca dentro de uma sala isolada no colégio particular onde ela estudava. Acontecia uma festa de formatura e a instituição estava bastante movimentada, mas nenhuma testemunha disse ter visto o crime. Segundo as investigações, com base em depoimentos de testemunhas, o suspeito teria tentado se aproximar de outras duas crianças antes de chegar até Beatriz.

Em outubro de 2017, a Polícia Militar prender um homem suspeito de um homicídio e ao afirmar que ele apresentava semelhanças físicas com o suspeito de matar a menina em Petrolina. A Polícia Científica colheu material genético dele para exames. Mas, como mostrou o Ronda JC, o homem não poderia ter praticado o crime pois naquele 10 de dezembro de 2015 ele estava preso por tráfico de drogas na Cadeia Pública de Santa Maria da Boa Vista. A prisão aconteceu oito dias antes do homicídio e ele só teve o relaxamento autorizado pela Justiça em maio do ano seguinte.

LEIA TAMBÉM

Caso Serrambi completa 15 anos sem punição aos culpados pelos crimes

69% dos homicídios registrados em Pernambuco em 2017 não foram esclarecidos

Caso Itambé: Dois PMs vão pagar 10 salários em troca da suspensão do processo


Veja também