10
nov

‘Vizinhos’, da Artinerant’s, transforma o banal em surreal

10 / nov
Publicado por Márcio Bastos às 6:00

Maíra e Daniel em cena de 'Vizinhos'. Foto: Divulgação
Maíra e Daniel em cena de ‘Vizinhos’. Foto: Divulgação

Questionar práticas diárias e desconstruir usos atribuídos a determinados objetos é uma função mais espinhosa do que parece. A razão disso talvez esteja ligada à padronização das vivências e relações interpessoais, que pode limitar as possibilidades da imaginação e dificilmente são percebidas. Em Vizinhos, a Artinerant’s (SP) propõe novo olhar sobre a rotina e utensílios aparentemente banais, em um processo de instigação desse “ver além”. O espetáculo tem sessões dias 10 e 11 de novembro, às 20h, no Teatro Santa Isabel, dentro da programação do Festival de Circo do Brasil.
Capitaneada por Daniel Pedro e Maíra Campos, a Artinerant’s (SP) surgiu com Vizinhos e o espetáculo foi germinado durante um giro pela Chapada dos Veadeiros (GO). A dupla viajou apresentando pequenos números durante o caminho e, a partir dessa experiência, percebeu a vontade de desenvolver um trabalho de cunho intimista.

Ambos integrantes do Circo Zanni, que bebe da tradição, tem muitos membros e possui lona fixa, optaram por explorar o perfil da itinerância nesse novo projeto, lançando-se em uma nova empreitada. Do macro, voltaram-se para o micro, investigando nuances da natureza humana através de uma narrativa que foge do tradicional.

LEIA MAIS
>> ‘Apesar’, da Cie Sôlta, e o circo da vida a dois
>> Festival de Circo do Brasil em versão portátil

“É um espetáculo muito visual, no qual não temos a intenção de contar uma história fechada e sim deixar que cada espectador tire suas conclusões. Há vários elementos que flertam com o surrealismo, com esse jogo de interpretação. Essa gama de possibilidades é o que nos interessa enquanto companhia”, explica Daniel.

Esse caráter aberto é um convite da dupla à subjetivação da plateia. Os objetos, por exemplo, ganham novos significados. Dentro desse universo criado por eles, um sofá pode engolir o homem que lê deitado sobre ele e logo em seguida servir de trampolim para que este mesmo indivíduo salte no ar; o varal de roupas pode ser um arame sobre o qual a mulher equilibra-se.

Na obra, os corpos dos artistas ganham protagonismo em cena, em um processo que se consolida a partir de um diálogo entre o teatro físico e o circo. Reflexo de um momento vibrante vivido pelo circo no País, Vizinhos é permeado pela ideia do contemporâneo, com fusão de linguagens.

O surreal ganha destaque no espetáculo. Foto: Divulgação
O surreal ganha destaque no espetáculo. Foto: Divulgação

“A cena circense mudou muito nesses mais de vinte anos que estou em atividade. Hoje, é muito vibrante e isso é resultado direto do esforço dos artistas, pois os incentivos governamentais quase não existem”, atesta.

DUO
Assim como em Vizinhos, dois artistas dividem a cena em Carpinteiros em Domicílio, da Cia Suno (SP) que ganha sessões dias 10 e 11, às 15h, e 12 e 13, às 16h, no Teatro Apolo. Na obra, Helena Figueira e Duba Becker entram em cena munidos de um monociclo e pedaços de madeira preparam-se para iniciar uma obra. A reforma é o mote para o desenvolvimento de uma dramaturgia cômica que mescla palhaçaria e acrobacias, em um híbrido de teatro e circo.

SERVIÇO
Vizinhos, da Artinerant’s
Quando: 10 e 11 de novembro, às 20h
Onde: Teatro Santa Isabel (Praça da República, s/n, Santo Antônio)
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)
Informações: 3355-3323


Veja também