09
ago

Fiandeiros comemora 15 anos com ‘O Capataz de Salema’

09 / ago
Publicado por Márcio Bastos às 20:36

O casarão de número 46 na Rua da Matriz, Boa Vista, funciona desde 2009 como sede da Companhia Fiandeiros. Lá, o grupo realiza cursos e atividades artísticas, além de fomentar a criação dramatúrgica e incentivar o gosto pelo teatro. Espaço de resistência – em relação ao abandono generalizado da cultura e também da área central do Recife – a edificação será palco de celebração, sexta-feira (10), a partir das 19h30, quando o grupo marca seus 15 anos de atividades com a estreia só para convidados da nova versão da peça O Capataz de Salema. A partir de sábado (11), as apresentações serão abertas ao público.

Foto: Rogério Alves/Divulgação

Quando decidiram fundar a Fiandeiros, em 2003, André Filho, Daniela Travassos e Manoel Carlos tinham o desejo de se aprofundar na pesquisa do teatro para a infância e juventude. E assim fizeram: no ano seguinte, estrearam Outra Vez, Era Uma Vez, com dramaturgia própria assinada por André. O início da trajetória, aliás, foi premiado com o segundo lugar no Prêmio Funarte de Dramaturgia para a região Nordeste. Mas, se limitar nunca esteve nos planos do grupo e apesar de manterem o desejo de continuar a pesquisa inicial, eles se lançaram em novos desafios e naquele mesmo ano montaram Vozes do Recife, peça que abordava o universo poético de Ascenso Ferreira, João Cabral de Melo Neto, Joaquim Cardozo, Manuel Bandeira e Carlos Pena Filho.

“O processo de pesquisa é muito precioso para nós. Foi assim que fomos chegando em outros caminhos e montamos textos que exprimiam questões que nos moviam naquele momento”, explica Daniela Travassos.
Em 2005, a Fiandeiros montou O Capataz de Salema, texto pouco explorado de Joaquim Cardozo. A obra, que fala sobre a solidão e as desigualdades sociais, fez com que o grupo circulasse nacionalmente, trocasse ideias com outros grupos e voltasse cheio de fôlego ao Recife. Por isso, pareceu a escolha ideal para pontuar os 15 anos. No elenco da montagem, além de Daniela, estão Pascoal Filizolla, Manoel Carlos, Charly Jadson, Eduardo Gogoy e Kéllia Phayza.

“Vínhamos de praticamente um espetáculo autoral por ano. Achamos que a oportunidade de remontar O Capataz de Salema seria uma forma de vermos também nosso amadurecimento, 13 anos depois da primeira versão. Além disso, é um texto que continua pouco montado e que precisa ser mais conhecido”, reforça a atriz.

FORMAÇÃO

Um grupo manter sede no Recife, hoje, é uma raridade. Há quase dez anos em atividades, o espaço da Fiandeiros se destaca não só por ser espaço de ensaios e pesquisa do grupo, mas também por promover cursos de formação para diversos públicos, como as crianças.

“Manter o espaço exige uma luta diária, mas hoje conseguimos criar uma estrutura de sustentabilidade. Gostaríamos que houvesse uma política de apoio, pois nossa troca com a comunidade é grande, com apresentações acessíveis, biblioteca aberta, entre outras ações. Vamos resistindo”, diz.

Foto: Rogério Alves/Divulgação

Em seu espaço, a Fiandeiros tem promovido uma série de ações voltadas para o fortalecimento da dramaturgia pernambucana, especificamente, e brasileira, como um todo. O acervo deles está aberto à população gratuitamente e, em breve, contará com uma ferramenta de busca no site do grupo. O banco de textos teatrais ganhou o nome de Flávio Santos, ator que integrou a equipe do Teatro Marco Camarotti, falecido em 2016.

“Flávio teve importância fundamental na nossa trajetória. Há 15 anos, ele nos convidou para um projeto no Sesc e a partir dessa experiência decidimos criar a companhia. Foi um grande artista e professor que partiu muito cedo e que era muito generoso. Ele nos doou muitos livros e essa é uma forma que encontramos de contribuir com a formação de novos artistas e interessados no teatro”, enfatizou Daniela.

No processo de repassar a limpo sua história, a Fiandeiros também promove uma exposição no seu espaço. Além de fotos, a mostra contará com figurinos e adereços criados por Manoel Carlos, parceiro de longa data do grupo.

SERVIÇO
O Capataz de Salema, da Cia Fiandeiros
Quando:  sextas e sábados, às 20h, até dia 25
Onde:  no Espaço Fiandeiros (Rua da Matriz, 46, 1º andar, Boa Vista)
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). Informações: 41412431


Veja também