19
dez

Entenda como funciona e as modalidades do jejum intermitente

19 / dez
Publicado por Gabriela Máxima às 15:13

jujem748

Passar horas sem consumir alimentos surpreende quem se acostumou a comer de três em três horas. O jejum intermitente é realmente uma estratégia que divide opiniões. A nutricionista esportiva Rosa Idalina Costa revelou que pesquisas científicas realizadas recentemente desconstroem a visão precipitada sobre a modalidade. “Felizmente hoje temos muitos estudos que nos permitem utilizar o jejum intermitente como prática dietética. Por conta disso os nutricionistas conseguem respeitar a individualidade biológica de cada paciente”, esclareceu.

Exercícios em jejum emagrece?

Cinco dicas para você se pesar do jeito certo

Comece o ano com saúde

Embora muitas pessoas acreditem que o jejum configure uma novidade, a nutricionista explicou que a prática é secular. Afinal, muitas religiões fazem modalidades distintas de jejum para respeitar as tradições. Esse é o caso do Ramadã e da Páscoa. No primeiro, os muçulmanos precisam jejuar durante 30 dias em respeito e adoração a Alá. No segundo, o jejum é feito na Sexta-feira Santa, no cristianismo.
Além disso, o homem pré-histórico não tinha tanta oferta de comida e precisava jejuar por horas a fio até encontrar alimento. O argumento refuta a ideia de que o corpo humano não se adaptaria ao jejum.

Juliana Urquisa é vegana e eliminou sete quilos com o jejum intermitente
Juliana Urquisa é vegana e eliminou sete quilos com o jejum intermitente

Rosa Idalina conta que os novos estudos não deixam os nutricionistas engessados em formular dietas com refeições fracionadas. “As vantagens do jejum ajudam os nutricionistas porque agora podemos respeitar a individualidade biológica de cada pessoa. Por exemplo, quem não gosta de tomar café da manhã pode hoje treinar em jejum sem problema”, esclareceu.

A grande questão que todos precisam tomar conhecimento diz respeito à qualidade de vida e longevidade. Afinal, quando uma pessoa decide fazer dieta, independentemente da finalidade, ela passa a optar por uma série de mudanças que vão proporcioná-la mais saúde. Portanto, a nutricionista esclarece que não é porque o jejum vem apresentando vantagens que as outras dietas são consideradas ineficientes. “Toda modalidade tem seus benefícios e se adapta ao estilo de vida de cada pessoa”, ressaltou.

A analista de sistemas Juliana Urquisa é adepta ao jejum intermitente e garante que a dieta foi um divisor de águas na sua reeducação alimentar. Ela estudou algumas estratégias e observou que o jejum é bem eficiente. Então, optou pela modalidade para superar a depressão e eliminar cinco quilos “As pesquisas revelam que além da questão física, ele consegue interferir de forma positiva em fatores psicológicos”, ensinou.

Juliana, que é vegana e corredora, ultrapassou seu objetivo e perdeu sete quilos em dois meses. Para isso, ela reeducou sua alimentação completamente. Retirou do cardápio alimentos industrializados, carboidratos com alto índice glicêmico e açúcar. “A mudança fez bem ao meu corpo. O metabolismo está acelerado e me sinto saudável e disposta”, garantiu.

MODALIDADES

2x na semana – Escolha um dia na semana para reduzir o consumo das calorias para 25%. Isso significa o consumo de até 600 calorias no dia. Nos demais dias o cardápio segue sem restrição

Janela de alimentação – Serve de forma distinta para homens e mulheres. Por exemplo, são 12h em jejum até fazer a primeira refeição. O jejum pode ser prolongado a medida que o organismo se acostuma do com o método

Jejum total – Se prepare para passar longas horas sem se alimentar. Não importa o horário, apenas se programe para passar muito tempo em jejum

Quando sentir fome – Essa modalidade parece ser a mais natural, pois oferece maior liberdade em relação aos horários de alimentação. Vale lembrar de não ignorar o tempo do jejum

OBSERVAÇÃO
A nutricionista Rosa Idalina Costa alerta que a quebra do jejum deve ser feita com refeições saudáveis, seguindo o plano alimentar. Não adianta fazer jejum e depois exagerar na comida e optar por frituras, industrializados e embutidos. O objetivo é ensinar o organismo a consumir energia a partir da gordura


Veja também