09
jan

Benefícios e recomendações do treino aeróbico em jejum

09 / jan
Publicado por Luana Ponsoni às 15:44

Método ainda não é unanimidade, mas já é praticado por muitas pessoas que se exercitam regularmente. Foto: Reprodução

Apesar de não ser uma unanimidade entre quem costuma se exercitar, o treino aeróbico em jejum (AJ) já vem sendo feito por muita gente. É que, logo pela manhã, fica mais fácil mobilizar as reservas de gordura como fonte primária de energia. De acordo com a nutricionista e mestre em Exercício e Saúde, Rosa Idalina Costa, os baixos níveis de insulina após o jejum da noite favorece a utilização dessa gordura pelo organismo.

A profissional, porém, faz ressalvas quanto à banalização desse método.

 

Apesar de aparentar ser infalível, é preciso tomar muito cuidado. Algumas pessoas podem não se adaptar e ter sintomas de hipoglicemia ou se sentirem sem energia para treinar. O ideal é começar devagar, isto é, atividades mais leves e por um período mais curto. À medida que o corpo vai se adaptando, aí sim pode aumentar a intensidade e o tempo”.

Rosa Idalina Costa, nutricionista e mestre em Exercício e Saúde

 

Rosa Idalina recomenda o acompanhamento de um profissional de educação física para fazer o AJ. Foto: Instagram/Reprodução

A profissional ainda ressaltou a importância de consultar um profissional de Educação Física antes de aderir ao AJ. Depois que todas as adaptações forem feitas e o treino estiver integrado à rotina, a nutricionista e mestre em Exercício e Saúde aponta qual é o melhor tipo de alimentos para consumir no pós-treino.

“Após esse exercício, para continuar perdendo mais gordura, prefira comer alimentos ricos em proteínas e gorduras boas, como, por exemplo, um omelete de ovos com atum ou sardinha”, sugeriu.

 


Veja também