23
maio

Agachamento: três dicas para melhorar a execução

23 / maio
Publicado por Luana Ponsoni às 17:14

Se realizado do modo correto o agachamento proporciona grandes resultados.

Apesar de o ato de agachar ser feito de forma exaustiva na infância, muita gente perde mobilidade para continuar realizando o movimento do mesmo jeito na fase adulta. Quando a sobrecarga é acrescentada, fica ainda mais difícil. Por esse motivo, o exercício não é de fácil execução para boa parte das pessoas que se deparam com ele, pela primeira vez, na ficha de treino.

Para realizar o movimento sem incorrer em erros que diminuem o resultado e ainda pode gerar lesões, o ideal é buscar a orientação de um professor de musculação. Mas especialistas  na área dão dicas valiosas para que nenhuma dúvida quanto ao agachamento possa atrapalhar ou até desmotivar o treinamento.

Dicas para agachar da maneira certa

1.MOBILIDADE

O ato de agachar em direção ao chão, com sobrecarga ou não, exige uma boa mobilidade do tornozelo e do quadril na flexão (descida) e estabilidade do joelho para não fazer o movimento valgo, para dentro, na extensão (subida). Um teste para verificar como andam esses quesitos é afastar os pés, mais ou menos na altura dos ombos, e agachar. Se a profundidade do movimento for limitada, certamente, há algum problema de mobilidade. Idem se os joelhos se voltarem para dentro na subida. Um professor de Educação Física saberá como prescrever exercícios específicos para melhorar esses quadros.

2. AMPLITUDE

Agachar até 90° tem um nível de dificuldade bem inferior do que o agachamento profundo. Quando essa linha é ultrapassada, os glúteos  e todos os músculos da coxa são amplamente acionados. Ou seja, quanto mais profundo o movimento, maiores os resultados. E a boa notícia é que, diferente do que muita gente pensa, descer mais de 90° não afeta os joelhos – obviamente se não houver patologias diagnosticadas. Muito pelo contrário, o nível que mais exige dessa articulação é quando o movimento está justamente nos 90°. A medida em que essa angulação é ultrapassada, a pressão se transfere para as coxas, panturrilhas e glúteos.

3.QUADRIL

Ao agachar, é bom ficar sempre atento ao quadril. No movimento de flexão (descida), essa parte do corpo precisa ir para trás. Quando isso não acontece, o joelho irá para frente, gerando uma pressão enorme na articulação. O resultado pode ser uma possível lesão. Esse erro é muito comum nos iniciantes.

LEIA TAMBÉM:

Os cinco erros mais comuns no agachamento livre

Treino sem agachamento para turbinar pernas e glúteos

Cinco motivos para você não pular o treino de pernas

 

 

 

 


Veja também