publicidade
04
set

Desmond Tutu, Yoko Ono e outras personalidades dão apoio a referendo de independência da Catalunha

04 / set
Publicado por Leonardo Spinelli às 17:14

Manifesto foi apresentado ontem (04) pelo tunisiano Pau Ahmed Galai (E), em ato conjunto com o presidente catalão Carles Puigdemont (D). Foto: Taiza Brito

Taíza Brito
Especial para o Blog

BARCELONA – Mais de 50 personalidades mundiais, entre eles cinco laureados com prêmios Nobel da Paz, declararam apoio ao referendo sobre a independência que o governo da Catalunha pretende realizar no próximo 1º de outubro. A consulta é rechaçada pelo governo da Espanha. O manifesto foi apresentado nesta segunda (04) pelo tunisiano Pau Ahmed Galai, em ato conjunto com o presidente catalão Carles Puigdemont, em Barcelona.

Ahmed Galai, Nobel da Paz em 2015, disse que a maioria dos catalães vem expresando repetidamente, e de diversas maneiras, o desejo de exercer o direito democrático de votar sobre o seu futuro político. “Tal como mostram os precedentes quebequenses e escoceses, entendemos que a melhor forma de resolver as disputas internas legítimas é utilizar as ferramentas da democracia”, discursou.
Entre os que assinam o manifesto estão o bispo sul-africano Desmond Tutu, a japonesa Yoko Ono Lennon, o ator norte-americano Viggo Mortensen, o escritor português Antônio Lobo Antunes e Piedad Córdoba , advogada, política e mediadora do acordo humanitário entre as FARC e o governo colombiano.

Durante o ato, Ahmed Galai fez um apelo ao governo espanhol, assim como aos seus homônimos catalães, para que a cidadania da Catalunha possa votar o seu futuro político e que se negociem de boa fé os resultados. “As urnas nunca deveriam ser consideradas um problema, nem a causa de um conflito, muito menos no caso de 1º de outubro”, acresceu o pacifista.

 

As urnas nunca deveriam ser consideradas um problema, nem a causa de um conflito, muito menos no caso de 1º de outubro”

Ahmed Galai

Carles Puigdemont garantiu que a votação permitirá tirar qualquer dúvida sobre o real desejo dos catalães. O presidente recordou que pode vencer o sim ou o não, afinal trata-se de uma consulta, e por isso não se debe temer-la ou proibi-la. Ele lembrou que se vence o não, está prevista a dissolução do parlamento e do governo e a convocação de novas eleições. “Se vence o sim, a Espanha não terá como fugir do diálogo, como vem fazendo até hoje”, completou.

Puigdemont afirmou que não irá retroceder, apesar das ameaças do governo central e que trabalhará para que o maior número de pessoas possa votar. “Qualquer intento de impedir o referendo, seja pela via judicial ou política está destinada ao fracasso, porque a democracia é imparável”.
Nesta quarta (06), o parlamento catalão deverá votar a lei do referendo. “O texto habilitará uma passarela legal para a organização do referendo e a transição à legalidade futura em caso que vença o sim”, disse. O governo catalão não estipulou percentual mínimo de participação de votantes, seguindo a jurisdição eleitoral vigente na Espanha.

O primeiro ministro Mariano Rajoy segue garantindo que o não permitirá o referendo. “Atuaremos com proporcionalidade, inteligência, tranquilidade, contudo também com firmeza”, declarou, ao dizer que tem a obrigação de “cumprir e fazer cumprir a lei”. “Preservarei a unidade da Espanha e garantirei o respeito ao texto constitucional”, concluiu.


Veja também