Michel Temer sanciona a reforma trabalhista

Reforma foi aprovada na última terça-feira (11) no Senado por 50 votos a 26
JC Online
Publicado em 13/07/2017 às 15:39
Foto: NE10

O presidente Michel Temer sancionou a reforma trabalhista na tarde desta quinta-feira (13), no Palácio do Planalto. Aprovada na última terça-feira (11), no Senado, por 50 votos a 26 e 1 abstenção, a Reforma regulamenta novas modalidades de trabalho, como o home office ou trabalho remoto, busca dar maior flexibilidade na legislação e estreitar as relações entre patrões e empregados.

>> Entenda ponto a ponto as mudanças na reforma trabalhista

Segundo um auxiliar do presidente, a sanção contará com os vetos "já acordados" entre o governo e os senadores. As novas regras previstas no projeto de reforma trabalhista devem entrar em vigor passados 120 dias de sua publicação no Diário Oficial da União.

Durante seu discurso, Temer elogiou a atuação do relator da proposta, o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), afirmando que o trabalho para aprovar as reformas trabalhistas foi bastante árduo. Já nas redes sociais, o presidente disse ainda que, ao aprovar a medida, "o Congresso Nacional demonstrou compromisso com o progresso e com o bem-estar dos brasileiros".

Temer também declarou que ninguém teve ousadia para realizar este tipo de modificação. "Modernizar a legislação trabalhista era uma dessas demandas sobre as quais ninguém tinha dúvida. Mas ninguém teve a ousadia e coragem para realizá-la", declarou Temer.

O presidente também voltou a afirmar que as modificações não vão retirar direitos dos trabalhadores e que a reforma visa gerar empregos para o país. "Estamos preservando os direitos dos trabalhadores. Não é que nós não queríamos preservar, é que a Constituição Federal determina que esses direitos sejam garantidos", afirmou.

Modificações ainda devem ser realizadas na reforma

Em uma negociação realizada com os parlamentares, o governo se comprometeu a alterar alguns pontos de discussão na reforma através de medidas provisórias. Caso o projeto sofresse alguma modificação pelo Senado, o texto precisaria ser reanalisado pela Câmara dos Deputados.

Entre os pontos polêmicos que pretendem ser modificados através de medida provisória estão a jornada de trabalho 12x36, o trabalho intermitente e a possibilidade de gestantes e lactantes em trabalhar em locais insalubres.

Acompanhe abaixo a transmissão ao vivo da sanção da Reforma Trabalhista:

 

-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-

Este conteúdo é exclusivo para assinantes JC


Michel Temer sanciona a reforma trabalhista

Foto: NE10

Você atingiu o limite de conteúdos que pode acessar.

O seu conteúdo grátis acabou

Já é assinante?

Dúvidas? Fale Conosco

Ver condições

Veja também
últimas
Mais Lidas