26
jun

Startups: conheça modelo de negócio que pode impulsionar sua carreira empreendedora

26 / jun
Publicado por Bruno Vinícius às 8:41

Profissionais em startups têm mais independência, defende co-fundador da In Loco Media, Alan Gomes. Foto: Leo Motta/JC Imagem

Crescimento acelerado, tecnologia avançada, modelo de trabalho flexível, constante inovação e uso da criatividade para superar desafios. Essas são algumas das características que definem as startups, empresas de inovação tecnológica que têm atraído muitos profissionais hoje em dia.
Segundo o levantamento realizado pela comunidade Manguez.al, as startups alcançaram neste ano 123 negócios com mais de 300 empreendedores. Ainda de acordo com o estudo, os segmentos mais fortes são nos setores da educação (10), saúde (10), e-commerce (9), fintechs (serviços financeiros) ou negócios (8) e games (6).
O empresário Egton Pajaro escreveu um artigo sobre o tema no site administradores e comenta alguns dos motivos que têm atraído muitos jovens para esse ramo. “Percebo que os jovens profissionais não se adaptam mais ao modelo rígido das empresas tradicionais. Além disso, eles têm uma capacidade intelectual diferenciada”, conta.

LEIA TAMBÉM

» Secretaria de Qualificação abre inscrições para 165 vagas em cursos profissionalizantes gratuitos

» Senai recebe currículos para a área de Tecnologia

» Brasil gera vagas de emprego apesar da crise econômica, diz Ministério do Trabalho
A In Loco Media é uma startup pernambucana atuante no mercado desde 2014 com mais de 100 colaboradores, na área de publicidade direcionada para a tecnologia mobile. O co-fundador da empresa Alan Gomes explica as principais características desse modelo de negócio. “Em geral, predomina o apelo à autonomia ligada a resultado. O profissional tem independência para executar o seu próprio trabalho, em um ambiente aberto para realizar as suas atividades, sem aquela relação de chefe e funcionário tradicional, como nas grandes corporações tradicionais”, afirma.
Para ele, a atuação profissional em uma organização desse tipo proporciona inúmeras vantagens aos colaboradores. “Nelas há horários flexíveis, algumas funcionam como home office, possibilidade de um rápido crescimento na carreira, inclusive, se tornar sócio(a) na empresa”, explica o co-fundador. O empreendedor conta também que as empresas buscam candidatos com vontade de criação, um bom currículo e capacidade para resolver problemas.

PORTO DIGITAL

Em meio à essa nova realidade de startups, um ator de destaque é o Porto Digital. O parque tecnológico possui um programa de empreendedorismo que envolve desde espaços de experimentação, passando por pré-incubação, incubação, aceleração até a internacionalização de negócios do ecossistema, em parceria com o Sebrae e o Cesar.
O gerente de empreendedorismo do Porto Digital, André Santos, comenta sobre a importância das startups no cenário atual. “Num momento em que as relações de trabalho estão sendo questionadas, empreender é um ato social. As startups e o modo de pensar do empreendedor cumprem um papel muito importante, pois é ali onde as novas gerações vão trabalhar”, pontua.
Outro exemplo pernambucano é a Fusion DMS, que atua com software de logística, desde maio de 2014, com 30 funcionários. O proprietário Emílio Saad Neto relata os potenciais que elas exigem. “A startup vai criar novas funções e a pessoa vai crescendo junto. Por isso, é preciso ser alguém disposto a aprender, dinâmico, aberto à mudanças, ser capaz de aprender, mesmo sozinho, ser bom em um assunto e ter visão empreendedora”, destaca.
Neto também complementa que o fato do ambiente ser mais descontraído, leve, ter flexibilidade de horário, de comportamento, sem nível de hierarquização poder investir com poucos recursos e realizar diversas atividades são vantagens atrativas para os jovens atuais. Outro case é a Bionica, que desenvolve dispositivos médicos vestíveis desde 2011, com seis colaboradores. O fundador Hatus Vianna fala sobre o tema.

“O trabalho é muito dinâmico. Testamos muitas hipóteses em pouco tempo, então mudamos de rumo frequentemente para adequar o produto em desenvolvimento ao mercado, além de proporcionar grande desafio e aprendizado.” Vianna também comenta que se o case dê certo, os profissionais têm a chance de explorar todo o seu potencial e obter salários mais altos.
O gestor de inovação da CM Tech e membro da comunidade Manguez.al (com ações que vão do Porto Digital à universidades locais) Ed Dantas comenta sobre o assunto. “Poder criar algo do zero que pode impactar a vida das pessoas no mundo, faz com que essa geração pense em ser mais global. Propósito talvez seja a palavra chave desses jovens. Eles priorizam a realização e a experiência, em vez de um salário alto. O segredo é saber trabalhar com mentalidade de empreendedor e avaliar os riscos calculados.”


Veja também