03
fev

Saiba como se profissionalizar enquanto coach

03 / fev
Publicado por Bruno Vinícius às 11:13

Foto: Guto Marcondes/Divulgação

 

Uma das atividades profissionais mais populares dos últimos tempos é a do coach. Segundo a Internacional Coach Federation (ICF), há 43 mil profissionais da área atuando no mundo, movimentando R$ 2,3 bilhões. Embora não haja uma regulamentação para a profissão, as consultas só podem ser conduzidas por profissionais qualificados e com certificação de escolas aptas ao ensino da atividade no País.
Para começar o trabalho de coaching – metodologia que contribui para o desenvolvimento humano –, o profissional deve escolher qual dos dois caminhos quer seguir: PersonalCoaching/LifeCoaching ou Professional Coaching. O primeiro lida com o desenvolvimento de algum ponto relacionado à vida pessoal do indivíduo, como exemplo, educação financeira da família ou mudança do estilo de vida. Já no segundo caso, o profissional vai lidar diretamente com demandas relacionadas à vida profissional ou à carreira do cliente.
LEIA TAMBÉM
certificação de qualificação. “A formação exige requisitos a serem cumpridos, como carga horária e um trabalho final para obtenção da certificação. Existem diversas instituições de ensino que oferecem o curso de formação em coaching. Para escolher, uma boa dica é procurar por recomendações de ex-alunos. Entrar em contato com as instituições e fazer quantas perguntas achar necessário, assim você perceberá qual dará mais subsídio para você trilhar uma carreira de sucesso”, explica o master coach.
Marques também orienta os interessados a buscar metodologias internacionais. “Uma vez que o processo é oriundo da Europa, nada mais certo que aprender através das bases da metodologia original”, enfatiza.
A coach e sócio-diretora da Portela e Cavalcanti, Adriana Cavalcanti, mudou de carreira após 18 anos de atuação como profissional de Recursos Humanos (RH). “Eu descobri que tinha talento para ser coach de carreiras durante um processo de autoconhecimento, quando comecei a trilhar minhas competências”, conta Adriana, que passou por uma formação nacional e outra internacional.
A coach faz um alerta sobre a formação e a atuação dos profissionais da área, enfatizando os limites das orientações. “Não é um curso de três ou quatro dias que vai te formar um coach[/TEXTO]. É preciso fazer essa busca pelo autoconhecimento e, principalmente, conhecer seus limites. Durante esse processo de consultas, podem surgir problemas que só um psiquiatra, terapeuta ou psicólogo é capaz de solucionar. Neste caso, o correto a fazer é orientar a pessoa a buscar o profissional adequado. E uma coisa: estamos para levantar perguntas e não para dar respostas durante a consulta. É sempre bom ter isso em mente”, completa a consultora.


Veja também