Em Caruaru, cinco vereadores têm mandado de prisão expedido na Operação Ponto Final 2

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 29/01/2014 às 18:06
Leitura:

Sem alarde, nesta tarde, a Polícia Civil expediu cinco mandados de prisão contra vereadores da Câmara Municipal de Caruaru, acusados de corrupção. O grupo de parlamentares já havia sido, no fim de 2013, acusados de extorsão contra a Prefeitura de Caruaru.

A polícia passou seis meses investigando os bastidores da criação de uma CPI na Casa Legislativa. Segundo as denúncias, os vereadores pediam dinheiro para votar contra a instalação.

A Polícia Civil batizou a operação deflagrada nesta quarta-feira (29) de Operação Ponto Final 2, numa referência ao primeiro escândalo, causado pela operação Ponto Final.

Os vereadores Evandro Silva e Val das Rendeiras foram os primeiros a serem presos pelo delegado Erich Lessa, na Gerência de Polícia do Agreste 1, no bairro Indianópolis. Os vereadores Neto, Val do DEM e Jadiel também têm mandado de prisão, mas não foram localizados.

A operação Ponto Final 2 investiga a instalação da CPI da CGU, proposta pelo vereador Evandro, com o apoio de parlamentares da base, entre eles, Val das Rendeiras.

Com a deflagração da nova operação, outros vereadores indiciados na Operação Ponto Final 1 abandonaram Caruaru com medo de serem presos novamente.

Entenda a CPI da CGU

A CPI da CGU foi proposta em agosto de 2013. Vereadores da oposição tentaram criar uma Comissão Temporária de Inquérito para investigar denúncias de mau uso de verbas públicas pela Prefeitura de Caruaru.

As supostas irregularidades faziam parte de um relatório da Controladoria-Geral de União (CGU), que acabaram fazendo parte das discussões de sessões da Câmara de Vereadores.

A iniciativa partiu do vereador Evandro Silva (PMDB), que elaborou requerimento solicitando a criação de uma comissão de investigação.

“A denúncia foi feita por um órgão importante, que é a Controladoria-Geral da União. O órgão denunciou prejuízos de R$ 17,5 milhões para os cofres do município e investigar é uma das prerrogativas da Câmara. Então, estamos propondo, de acordo com o regimento, uma Comissão Temporária de Inquérito para analisar o caso”, defendeu o vereador.

Evandro Silva acrescentou que já conta com cinco assinaturas de apoio ao requerimento, mas que são necessárias pelo menos oito para que o documento seja aprovado. “Alguns vereadores ainda estão pensando, mas estamos fazendo nosso papel. A sociedade vai nos cobrar”, pontuou.

Um dos vereadores que assinaram o requerimento foi Joseval Bezerra (DEM), conhecido como Val. “As denúncias são graves e acho que os vereadores têm que cumprir com a sua obrigação, que é fiscalizar. Existem algumas licitações superfaturadas que não têm explicação”, disse o vereador, na época.

O relatório da Controladoria-Geral da União apontou superfaturamento na compra de itens da merenda escolar, desvio de finalidade no empenho de verbas públicas e licitação dirigida na Prefeitura de Caruaru.

Últimas notícias