Voto pernambucano sacramenta impeachment de Dilma Rousseff

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 17/04/2016 às 23:06
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Leitura:

Após horas de tumulto, numa sessão que ainda segue em andamento, veio de um dos principais redutos políticos do Partido dos Trabalhadores (PT), Pernambuco, o voto 342 - que corresponde a dois terços dos 513 deputados - em favor do processo do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O voto decisivo para aprovar o pedido de afastamento veio do deputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE). Um dos principais opositores ao governo petista. O processo segue agora Senado Federal. "Quanta honra o destino me reservou de poder da minha voz sair o grito de esperança de milhões de brasileiros senhoras e senhores, Pernambuco nunca faltou ao Brasil. Por isso digo ao brasil sim para o futuro", disse Bruno, que estava emocionado no momento do voto.

LEIA MAIS:

>> Líder do PT reconhece “derrota momentânea” e fala em “guerra prolongada”

>> Eduardo Cunha ameaça parlamentares que exibem faixa contra ele na Câmara

>> Tiririca deve votar contra o impeachment de Dilma Rousseff

>> Jarbas diz que oposição já contabiliza 367 votos a favor do impeachment

Ela só será afastada das funções no momento em que o Senado instaurar o processo de impeachment, o que acontece com maioria simples de votos, 41 votos. Conforme o calendário proposto pela assessoria técnica da Casa, isso pode acontecer em até 24 dias após a manifestação da Câmara. Ou seja, até o dia 11 de maio.

> Governistas negociam apoio em eleições em troca de votos contra impeachment

Bancada de Pernambuco tem 16 votos a favor e 5 contra impeachment

Começa com tumulto sessão que vai decidir admissibilidade do impeachment

No próximo passo, o processo passa a ser julgado pelos senadores. Caso esse julgamento demore mais do que 180 dias, Dilma poderá retornar ao cargo enquanto o processo segue. O presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), já afirmou que não pretende acelerar o rito, caso seja aprovado pela Câmara.

>> Chapa ‘Michel Cunha’ quer dar o golpe, diz líder do PT na Câmara

>> A favor do impeachment, Priscila Krause diz que se pode esperar milagre

>> Em vídeo, Jair Bolsonaro treina declaração do voto a favor do impeachment; assista

>> Legislativo não é mero puxadinho do Poder Executivo, diz relator

A sessão no Senado é conduzida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Se ao menos dois terços dos 81 senadores (54 votos) decidirem pela condenação, a presidente da República perderá o cargo e ficará inabilitada por oito anos para o exercício da função pública.

>> Humberto Costa critica PSB de Paulo Câmara por dar apoio ao PMDB

>> Cmeça votação do pedido de impeachment da presidente Dilma. Acompanhe ao vivo

>> Silvio Costa dispara: “Quem está tentando assumir o poder é o PCC: Partido da Corja do Cunha”

Caso o impeachment seja aprovado no Senado, somente a presidente perderá o cargo. Quem assume em seu lugar é o vice-presidente, Michel Temer (PMDB). Se, por qualquer razão, ele não puder ficar à frente da presidência, a Constituição estabelece que serão convocados, sucessivamente, o presidente da Câmara, o presidente do Senado e o presidente do STF.

Últimas notícias