STF investiga 1/3 de comissão de impeachment do Senado

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 25/04/2016 às 9:55
JP_Senado-sessao-delibertaiva-ordinaria_05262015001-850x566 FOTO:
Leitura:

Estadão Conteúdo - Dos 21 parlamentares indicados para a comissão do impeachment no Senado, mais de um terço responde a inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Dos oito senadores com processos, quatro deles integram a lista dos políticos investigados pela Operação Lava Jato. Antes de levar o caso ao plenário da Casa, o grupo será responsável por analisar a denúncia contra a presidente Dilma Rousseff acolhida na Câmara no último dia 17.

LEIA MAIS:

>> Governo estuda ir ao Supremo se perder em comissão do Senado

>> Comissão do impeachment começa a trabalhar nesta segunda-feira

>> PT quer vetar senador do PSDB como relator da comissão especial do Senado

Indicados para a presidência e relatoria da comissão, os senadores Raimundo Lira (PMDB-PB) e Antonio Anastasia (PSDB-MG) ficaram de fora desta lista. Em fevereiro, o STF arquivou um inquérito que investigava a suposta participação do tucano na Lava Jato.

Já Gleisi Hoffmann (PT- PR), Lindbergh Farias (PT-RJ), Fernando Bezerra (PSB-PE) e Gladson Cameli (PP-AC) são os senadores investigados por suposto envolvimento na corrupção na Petrobras. Lindbergh é o que responde ao maior número de processos na Corte: cinco.

>> Veja quais senadores já foram indicados para a comissão do impeachment

>> Partidos concluem indicações e comissão do Senado tem 70% a favor do impeachment

>> Cinco senadores da comissão do impeachment são investigados pela Lava Jato

Gleisi, que foi ministra da Casa Civil no primeiro mandato de Dilma, é alvo de dois procedimentos.  Ela também foi citada na delação do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS). Em março, a Polícia Federal indiciou a senadora e seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, por suposto recebimento de R$ 1 milhão. Lindbergh teria recebido propina desviada da estatal de R$ 2 milhões para financiar a campanha ao governo do Rio em 2014 Além disso, ele é investigado em quatro procedimentos.

O senador Fernando Bezerra, que responde a quatro inquéritos, foi citado na delação do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa por ter recebido R$ 20 milhões na época em que ele era secretário do então governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Cameli é um dos parlamentares do PP relacionados à corrupção da Petrobras. Ele também responde a um processo por dirigir bêbado.

>> Cristovam Buarque reitera voto pela abertura do processo de impeachment

>> Renan Calheiros antecipa início dos trabalhos da comissão do impeachment de terça para segunda

Aloysio Nunes (PSDB-SP) é alvo de um inquérito que está oculto no sistema do STF, em razão de desdobramentos da Lava Jato. Os outros parlamentares da comissão que enfrentam investigações no STF são Simone Tebet (PMDB-MS), Wellington Fagundes (PR-MT) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

A assessoria de Gleisi diz que não há provas contra a senadora. Lindbergh afirma "que todas as doações de campanha foram registradas na forma da lei" e que os demais casos foram arquivados. Fernando Bezerra diz "que ao final dos inquéritos tudo ficará esclarecido".

>> Aliados do PT em Pernambuco voltam a atacar Paulo Câmara, por dar apoio ao impeachment de Dilma

A assessoria de Aloysio diz que o senador tem "total interesse no imediato esclarecimento dos fatos". Simone afirma que não é ré em nenhuma ação. Vanessa Grazziotin diz que os inquérito contra ela decorre de processos movidos por adversários políticos. A reportagem não recebeu resposta de Gladson Camelli e não conseguiu contato com Wellington Fagundes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas notícias