Janot afirma que Cunha era 'líder' de esquema de corrupção em Furnas

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 04/05/2016 às 7:08
Leitura:

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Estadão Conteúdo - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), era um dos líderes do esquema de corrupção que atuava em Furnas. A afirmação consta no pedido de abertura de um novo inquérito contra o peemedebista que chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) esta semana.

LEIA MAIS:

>> Eduardo Cunha e Renan Calheiros são alvo de 18 pedidos de investigação

>> PGR pede ao STF instauração de 6º inquérito contra Eduardo Cunha

>> PGR pede ao STF instauração de 6º inquérito contra Eduardo Cunha

>> Janot quer investigar Aécio por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

"Pode-se afirmar que a investigação cuja instauração ora se requer tem como objetivo preponderante obter provas relacionadas a uma das células que integra uma grande organização criminosa - especificamente no que toca a possíveis ilícitos praticados no âmbito da empresa Furnas. Essa célula tem como um dos seus líderes o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha", diz a peça assinada por Janot.

>> Renan Calheiros se reúne com Temer e Aécio em Brasília

>> STF abre inquérito para investigar Renan Calheiros e Romero Jucá

>> Em reunião com Lula, Renan diz que decisão do Senado será política e de mérito

Segundo o procurador-geral da República, é sabido "que essa organização criminosa é complexa e que, tudo indica, operou durante muitos anos e por meio de variados esquemas estabelecidos dentro da Petrobras e da própria Câmara dos Deputados, entre outros órgãos públicos. Embora estes 'esquemas' tenham alguma variação entre si, é certo que eles coexistem e funcionam dentro de um conserto maior".

>> Janot decide pedir para STF abrir inquérito contra Dilma por obstruir a Lava Jato

>> Nova denuncia de Janot inclui Henrique Eduardo Alves, nome cotado para ministério de Temer

Essa nova linha de investigação contra Cunha surgiu a partir da delação premiada do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS). O presidente da Câmara já é réu em uma ação no Supremo e é investigado em outros inquéritos no âmbito da Operação Lava Jato.

>> Gim Argello quer fazer delação premiada

>> Tribunal mantém ex-senador Gim Argello na prisão

>> PF prende ex-senador Gim Argello por corrupção na CPI da Petrobras

Janot também pediu que o STF abra uma investigação sobre a participação do presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), no esquema de Furnas. Ele destacou, no entanto, que "tudo leva a crer que se tratava de 'esquemas' independentes entre si, inclusive operados por pessoas distintas".

>> Janot denuncia Lula ao STF na Lava Jato

>> André Esteves, sócio do banco BTG Pactual, é citado em nova lista de Janot

>> Em nova denúncia, Janot diz que Lula deu BR Distribuidora a Collor para que PTB ajudasse a abafar CPI da Petrobras

Em nota, Cunha afirmou que "o procurador-geral da República, desde a votação do processo de impeachment, tem procurado me incluir em qualquer inquérito existente". Aécio também negou qualquer atuação em Furnas e afirmou que as citações de Delcídio sobre ele eram de "ouvir dizer".

Últimas notícias