Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

Moro também condena Vaccari, ex-tesoureiro do PT, por corrupção

Blog de Jamildo
Blog de Jamildo
Publicado em 18/05/2016 às 16:01
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Leitura:

Com informações do Uol

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto foi condenado a nove anos de prisão e multa de R$ 420 mil pelo juiz Sergio Moro, em processo da Operação Lava Jato. A sentença de Moro, divulgada nesta quarta-feira (18), afirma que Vaccari não recebeu dinheiro desviado da Petrobras, mas os acertos eram feitos com a participação dele. O petista era acusado também de lavagem de dinheiro, foi inocentado.

LEIA TAMBÉM

» Juiz Sérgio Moro condena José Dirceu a 23 anos de prisão na Lava Jato

A condenação desta vez foi por um esquema de desvio da diretoria de Serviços e Engenharia da Petrobras, com pagamento de mais de R$ 46 milhões em propinas. O ex-diretor da estatal Renato Duque e o gerente Pedro Barusco também estavam na fraude.

Vaccari já havia sido condenado a 15 anos e quatro meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, também na Lava Jato. Moro sugeriu, então, que as penas sejam unificadas. O ex-tesoureiro do PT está preso e deve ficar em regime fechado.

» Filho de Lula, Vaccari e Léo Pinheiro também são denunciados pelo MP de SP

» MPF pede nova condenação de Duque e Vaccari

» Vaccari não faz juramento, fica calado e recebe vaias na CPI dos Fundos de Pensão

DIRCEU - Moro também condenou o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu a 23 anos e três meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. É a segunda sentença contra o petista por crimes de corrupção – em 2012, ele foi condenado a sete anos e 11 meses de prisão no mensalão.

A punição é pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa no esquema montado na Petrobras, em que eram desviados de 1% a 5% dos valores de contratos, mediante acerto entre um cartel das maiores empreiteiras do País com políticos do PT, PMDB e PP.

Últimas notícias