Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

Operação Turbulência: empresário morto controlava três firmas fantasmas. Empresa de fachada em Goiás irrigava esquema

jamildo
jamildo
Publicado em 13/07/2016 às 7:30
Paulo César Morato FOTO:
Leitura:

Encontrado morto envenenado em um motel em Olinda, o testa de ferro Paulo César de Barros Morato, que ficou conhecido após ter sido acusado de usar a empresa fantasma Câmara e Vasconcelos, operava ao menos mais duas firmas fantasmas, no bojo do esquema de lavagem de dinheiro apontado na Operação Turbulência, deflagrada em Pernambuco pela Polícia Federal no dia 21 de junho passado.

LEIA TAMBÉM

» Provas usadas na Operação Turbulência são de inquérito sobre suposta propina na campanha de Eduardo Campos em 2010

» PF investiga compra de jatinho que transportava Eduardo Campos em campanha presidencial e esquema milionário de lavagem de dinheiro

De acordo com o que foi apresentado no dia das operações, Paulo Cesar Morato controlava a empresa individual de responsabilidade limitada, sendo o único sócio responsável, com um capital social de R$ 600 mil. Foi esta empresa que recebeu R$ 19 milhões da construtora OAS, grupo que já foi investigado na Operação Lava Jato e cujos principais executivos já foram condenados por corrupção ativa e desvios de recursos público incluindo a refinaria Abreu e Lima e a refinaria Getúlio Vargas, no Paraná.

A OAS também está sendo investigada na Operação Vidas Secas, na Justiça Federal de Serra Talhada, por suspeita de direcionamento da licitação e superfaturamento na execução das obras da transposição.

» Alvo da Operação Turbulência, Apolo Vieira teria usado familiares e até irmã em esquema de fraudes

» Esquema da Operação Turbulência só parou de funcionar em março de 2016, diz Polícia Federal

» Acusado de testa de ferro da Operação Turbulência ganhou carro de luxo como “presente de papai” de cabeça do esquema

A Câmara e Vasconcelos, aliás, mudou de nome em agosto de 215, justamente um ano depois da morte do ex-governador Eduardo Campos, em um acidente aéreo em São Paulo. A empresa passou a se chamar Morato Locação e Terraplenagem LTDA.

Apresenta como uma empresa de fantasma e constituída por “laranjas confessos”, segundo a PF, a Câmara e Vasconcelos no entanto não era a única empresa ligada ao morto.

Além da Câmara e Vasconcelos e da empresa Vasconcelos e Câmara LTDA, Paulo César Morato era também o único sócio de outra empresa fantasma, de nome Lagoa Indústria e Comércio LTDA. Por meio de várias operações fracionadas, repassadas por laranjas como Artur Rosal e Kleyton Rosal, a empresa recebia recursos da empresa de fachada West Pneus, de Goiás.

>> Empresas fantasmas da Operação Turbulência funcionavam em distribuidoras de medicamentos e até central de bebidas

>> Operação Turbulência acha elo entre esquema local e operador uruguaio condenado na Lava Jato, por prestar serviços a Nestor Cerveró

Em uma única operação, a Lagoa Indústria recebeu créditos no valor de R$ 4,1 milhões, de empresas como a A. M. de Pontes Pneus, uma das empresas fantasmas ligadas ao empresário Apolo Santana Vieira. Da mesma forma, ela se relacionava financeiramente com outra fantasma chamada Tonimar Pneus.

De acordo com os registros da PF, os créditos enviados pela fantasma West Pneus abasteciam as contas da Câmara e Vasconcelos e outras empresas de fachada menores, como uma galeria de arte, uma rede de postos de gasolina e a empresa Smartcred Securitizadora, na qual trabalhava uma irmã do empresário Apolo Santana Vieira, apontado como um dos cabeças do esquema. Muitos dos recursos eram intermediados pela empresa Negocial Factoring, que opera na capital pernambucana.

>> Alvo da Operação Turbulência, Apolo Vieira teria usado familiares e até irmã em esquema de fraudes

A empresa de fachada que ficou mais conhecida no esquema foi a Geovane Pescados, por ter como responsável um pescador. A PF descobriu que mais de R$ 21 milhões foram movimentados na conta da empresa, incompatíveis com a capacidade econõmica da empresa, indicando para a PF que se tratava mesmo de lavagem de dinheiro.

Empresa que comprou jatinho usado por Eduardo Campos está em nome de um pescador

Ainda não citada no esquema, a empresa Tecpro Locação estava no nome de dois laranjas e seria ligada ao empresário Eduardo Freire Bezerra Leite. Ela teria realizado inúmeras operações suspeitas envolvendo outras empresas investigadas. O sócio formal, Bruno Felipe Marques de Mattos Silva, apesar de operar recursos elevados no papel, recebia um salário mínimo, segundo constatou a PF nas diligências de campo. Um funcionário do Bradesco de Piedade também pode ter participado do esquema, segundo os relatórios da PF.

Ainda de acordo com as investigações da Polícia Federal, participava ativamente do esquema a empresa. Ele Leite Negócios Imobiliários (Leite Imobiliária), que em uma única operação recebeu créditos de R$ 5 milhões do empresário Carlos Lyra Filho, outro dos cabeças do suposto esquema, entre janeiro e agosto de 2014, quando o avião de Eduardo Campos caiu em São Paulo. Ela repassava recursos também da empresas Camboa Cerâmica, ambas pertencentes a Eduardo Freire Bezerra Leite, preso e apontado como um dos três líderes do que a PF chamou de organização criminosa.

» Homicídio é praticamente descartado pela polícia em caso de foragido da Operação Turbulência encontrado morto

» Carro de empresário encontrado morto será leiloado com outros bens apreendidos pela Operação Turbulência após investigação

No mesmo endereço da Ele Leite funcionavam mais quatro empresas (Camboa Cerâmica, MM Administradora e Gestora de Bens, E e S Administradora de Bens, Jocape Administradora e Gestora de Bens). Por coincidência ou não, a Jocape já teve como sócios Eduardo Freire Bezerra Leite e João Carlos Lyra Pessoa de Melo. A empresa foi mencionada pelo COAF por operações suspeitas com joão Carlos Lyra e com a arrendatária da aeronave de São Paulo (AF Andrade Empreendimentos e Participações).

» Empresário foragido da Operação Turbulência é encontrado morto em motel de Olinda

O empresário pernambucano João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, que se notabilizou nacionalmente em 2014, ao assumir a compra do avião Cessna que caiu em Santos matando o presidenciável Eduardo Campos, entrou em contradição em 2015 ao depor nos inquéritos da Operação Lava Jato, antes mesmo da deflagração da Operação Turbulência, no dia 21 de junho passado, no Recife.

Últimas notícias