"Eu cheguei pra torar", diz João Paulo sobre segundo turno no Recife

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 06/10/2016 às 12:45
Foto: Ashlley Melo / JC Imagem
Foto: Ashlley Melo / JC Imagem
Leitura:

Durante entrevista concedida à Rádio Jornal, na manhã desta quinta-feira (6), o candidato a prefeito do Recife João Paulo (PT) se disse animado para disputar o segundo turno contra Geraldo Julio (PSB). "Não há desânimo nenhum. Eu cheguei pra torar", disse o petista. Questionado sobre dar um cargo ao ex-prefeito João da Costa, que não foi eleito vereador, João Paulo desconversou. "Temos prioridades maiores com o Recife. Nossa primeira tarefa é ganhar", ressaltou.

João Paulo destacou que não teve muitos recursos no primeiro turno. "Nunca tive uma eleição fácil na vida. Vamos ter que deflagrar uma campanha solidária com a militância pra nos socorrer", disse. O petista também aproveitou para alfinetar o sou rival. "Nosso adversário tinha o dobro de tempo e vendia muitas ilusões e promessas", afirma.

O candidato ainda se posicionou  sobre a decisão do DEM e do PSDB de apoiar a candidatura de Geraldo Julio. "Foi uma decisão partidária e não deve ser acompanhada pela base". João Paulo também disse que pode usar em sua campanha de segundo turno propostas dos candidatos que foram derrotados. Como a revitalização dos Centros Sociais Urbanos, colocada pelo tucano Daniel Coelho e propostas voltadas para creches apresentadas por Priscila Krause.

Sobre segurança, o petista disse que vai fazer com o governador Paulo Câmara a parceria que o atual prefeito "não quis fazer". "O atual prefeito fracassou na área da segurança com o Pacto Pela Vida do Recife". João Paulo colocou como propostas para esta área a capacitação da guarda e ações em parceria com o Estado em áreas de periferia onde tem maior incidência e disse que a guarda municipal vai ser armada "dentro do que a lei permite".

João Paulo ainda fez questão de defender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é réu na Lava Jato,  durante a entrevista. "Lula vem sendo alvo de um pré-julgamento. Ter indícios não quer dizer que o cara é criminoso".

Últimas notícias