Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

Protesto contra PEC do Teto tem tumulto, carros virados e bombas em Brasília

Blog de Jamildo
Blog de Jamildo
Publicado em 29/11/2016 às 18:00
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Leitura:

Agência Brasil e Estadão Conteúdo - Confusão marca o protesto de estudantes contra a Proposta de Emenda à Constituição 55/2016, a PEC do Teto, que está sendo votada nesta terça-feira (29) no Senado. A organização estima a participação de 15 mil pessoas, já a Polícia Militar do Distrito Federal diz que cerca de 10 mil participam do ato. O grupo grita palavras de ordem como "Fora Temer" e "Diretas Já". Apesar do tumulto, votação está mantida.

LEIA TAMBÉM

» Líder do PT reconhece derrota na PEC do Teto e diz que vai ao STF

» Jucá diz que PEC do teto deve ter votação maior que do impeachment

O grupo reuniu-se no Museu Nacional e caminhou até a frente do Congresso Nacional.  Os manifestantes viraram dois carros que estavam estacionados em frente ao edifício. Um dos veículos é da Record TV e o outro pertence à família de um policial legislativo que trabalha na Câmara. Os carros tiveram vidros quebrados e partes externas danificadas.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Nesse momento, o conflito se intensificou e a Polícia Militar jogou bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo para dispersá-los. Com a ação da polícia, o grupo caminhou em direção à Esplanada dos Ministérios. Além dos policiais, também há helicóptero da política do Distrito Federal na região.

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Após a PM dispersar o protesto de estudantes que ocupavam o gramado em frente ao Congresso, os manifestantes seguiram pela Esplanada dos Ministérios em direção ao Museu Nacional. Durante o percurso, a polícia seguiu "empurrando" os manifestantes em direção à Rodoviária de Brasília em uma tentativa de dispersar o grupo. Bombas de gás lacrimogênio foram disparadas e um carro que estava estacionado em frente à Catedral Metropolitana foi incendiado.

O Corpo de Bombeiros está no local para apagar o fogo do carro e das barricadas que tinham sido montadas pelos manifestantes. Durante o percurso, os estudantes derrubaram banheiros químicos que estavam no trajeto e tentaram bloquear a pista, que foram desmontadas pela polícia. O trânsito no local está interrompido. O coronel Julian Fontes, que está a frente da operação, disse que a ordem é que a PM proteja o patrimônio.

O carro de som que acompanhava o protesto pedia para a polícia que parasse de jogar bombas e que a manifestação pudesse permanecer em frente ao museu, de onde havia partido.

 

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Após a confusão, um grupo de deputados e senadores deixou o Congresso para acompanhar a manifestação. Entre os parlamentares estavam o deputado Pepe Vargas, que foi ministro dos Direitos Humanos da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

"Está perto de acontecer uma tragédia", disse o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ). Ele contou que esteve fora do Congresso e pediu para que haja uma intervenção da presidência da Câmara para que a ofensiva da polícia pare. Pela estimativa da polícia, cerca de 10 mil pessoas participam do protesto.

Os estudantes organizaram caravanas para ir a Brasília, com mais de 300 ônibus. Antes de caminhar até o Congresso, eles fizeram um ato em frente ao Ministério da Educação (MEC). Além da PEC do Teto, o grupo protesta contra a Medida Provisória 746/2016, que estabelece a reforma do ensino médio, e o Projeto de Lei da Escola sem Partido.

O ato em Brasília é organizado por entidades estudantis e educacionais, entre elas a União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG).

Últimas notícias