Para advogado de Lula, acusação é 'peça de ficção'

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 16/12/2016 às 8:15
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Leitura:

Estadão Conteúdo - O advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins, afirmou, em nota, que o petista é alvo de "perseguição" do Ministério Público Federal. "Como ele (Lula) pode ser o 'comandante' de 'uma sofisticada estrutura ilícita de captação de apoio parlamentar' de sustentação ao seu projeto político, se as testemunhas e os delatores oficiais arrolados para comprovar tal envolvimento e malfeitos negam essa sua participação? O mérito da denúncia repete um enredo já superado. Mais uma vez parte-se da convicção e não da prova. Não há como acatar, senão como peça de ficção, a denúncia de hoje (ontem, quinta-feira)", disse.

Leia mais:

>> Lula é denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato

>> Lula permitiu desvio de ‘bilhões de reais’ para PT, PP e PMDB, diz Procuradoria

Segundo a defesa, Lula não "mantém qualquer relação de fato ou de direito" com o imóvel em São Paulo onde, segundo a denúncia, seria instalado o Instituto Lula.

"Por outro lado, querem transformar uma relação locatícia privada de um apartamento vizinho àquele que pertence a Lula - como mostra o registro imobiliário - e onde ele mora, na prática de um crime", afirmou Martins.

A defesa ainda criticou o fato de a denúncia ter sido apresentada "menos de três dias úteis após a entrega do relatório que concluiu o inquérito policial". "E o relatório policial foi concluído menos de um dia útil após Lula ter apresentado seus esclarecimentos, mostrando que não havia objetivo de apuração, mas apenas de dar continuidade à sequência de acusações e violências jurídicas."

'Seguro prisional'

Em nota, a defesa de Antonio Palocci e do ex-assessor Branislav Kontic criticou a denúncia. "Trata-se de multiplicar infinitamente factoides que não têm respaldo na realidade para se instaurarem inquéritos e ações penais, com decretação de novas prisões. É uma espécie de seguro prisional. Se os tribunais superiores libertarem os réus do processo 'A', imediatamente se decreta a prisão no processo 'B'."

As defesas dos outros denunciados não foram localizadas pela reportagem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Últimas notícias