Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

No Nordeste, 65% consideram governo Temer pior do que Dilma, diz Ibope

Blog de Jamildo
Blog de Jamildo
Publicado em 27/07/2017 às 12:50
Foto: Lula Marques/ Agência PT
Foto: Lula Marques/ Agência PT
Leitura:

A região Nordeste se manteve como a que tem a pior avaliação do governo Michel Temer (PMDB) no País na pesquisa feita pelo Ibope, em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta quinta-feira (27). Apenas 1% considera a gestão ótima, 3% boa e 14% regular. Por outro lado, 64% afirmam que é péssima e 15% que é ruim. Diante dos números negativos para o presidente, aparece ainda outro dado que o coloca em situação ruim: 65% dos entrevistados nordestinos afirmaram que o governo Temer é pior do que o primeiro mandato de Dilma Rousseff (PT).

De acordo com a pesquisa, 27% dos nordestinos acreditam que as duas gestões são iguais e apenas 6% dizem que o peemedebista é melhor.

Oitenta e sete por cento dos nordestinos desaprovam a forma de Temer de governar e 8% aprovam. Além disso, 90% não confiam no presidente e só 8% confiam, índice igual aos do Centro-Oeste e do Norte do País. No Nordeste, apenas 7% têm perspectiva ótima ou boa em relação ao futuro do governo. Para 17% é regular e para a maioria, de 70%, é ruim ou péssima.

Este levantamento mostrou que Temer chegou à sua pior avaliação em todo o País desde que assumiu, em maio do ano passado, com o processo de impeachment contra Dilma. Houve queda em todos os recortes.

A avaliação do peemedebista é ainda a pior desde o governo José Sarney (PMDB), no fim da década de 1980.

A avaliação negativa em relação à atuação do governo Temer em áreas específicas também cresceu. Entre os nordestinos, 85% desaprovam a política de combate ao desemprego; 83% rejeitam as de segurança pública; 84% recusam as de impostos; 79% as de combate à fome e à pobreza; e 77% o combate à inflação.

Últimas notícias