Governo do Estado abre concurso para 'lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais'

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 22/04/2019 às 16:15
Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem
Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem
Leitura:

O Governo do Estado está abrindo um concurso de fotografias para "mulheres, em especial lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais". O anuncio foi feito pela Secretaria de Estado da Mulher, no Diário Oficial. As inscrições gratuitas vão até 17 de maio.

As "vencedoras" vão ganhar prêmios em dinheiro. O assunto provavelmente renderá polêmica com a bancada evangélica, que apoia o governador Paulo Câmara (PSB). Ano passado, a polêmica se formou em torno de uma peça de teatro, no Festival de Inverno de Garanhuns. Após protestos dos evangélicos, o governador mandou cancelar a peça.

O pastor Cleiton Collins, deputado estadual, repudiou com veemência a exibição no Festival de Inverno de Garanhuns da peça teatral “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”.

LEIA TAMBÉM

» Joel da Harpa diz que concurso do Governo ‘desrespeita mulheres’

» Cleiton Collins cobra do Estado fim do financiamento público dos eventos com ofensas à religiosidade

» ‘Governo do Estado mais gay do que nunca’, reclama Joel da Harpa

A Secretaria Estadual de Cultura tinha incluído na grade de eventos do Festival de Inverno a peça, com um transexual no papel principal e alvo de protestos em outras capitais.

“Quando soube do teor da peça, liguei para o governador, fui o primeiro a passar o teor da peça a ele. Quando ele tomou conhecimento disse que não, que não ia deixar esse tipo de assunto pautar o seu governo”, disse o deputado ao Blog, na época.

Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem - Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem
Foto: Sabrina Nóbrega/Alepe - Foto: Sabrina Nóbrega/Alepe
Cena da peça da “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” (Foto: Divulgação) - Cena da peça da “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” (Foto: Divulgação)

A atuação do governador Paulo Câmara sobre a peça gerou protestos em redes sociais.

Militantes tentaram acusar o governador Paulo Câmara de uma suposta “homofobia”.

A questão estava restrita aos “textões” de Facebook, até a Defensoria Pública do Estado divulgar uma nota oficial, fazendo críticas ao cancelamento da peça, ordenado pelo governador.

Últimas notícias