Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

Paulo Câmara defende homenagem a vítimas da ditadura contra retorno do regime

Blog de Jamildo
Blog de Jamildo
Publicado em 27/05/2019 às 16:28
Foto: Hélia Scheppa/Divulgação
Foto: Hélia Scheppa/Divulgação
Leitura:

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), participou desta segunda-feira (27) de uma homenagem ao padre Antônio Henrique Pereira Neto, que foi sequestrado, torturado e assassinado durante a ditadura militar.

"Tem que estar sempre relembrando essas histórias, relembrando essas pessoas, para que as novas gerações conheçam e que no Brasil não volte a acontecer o que aconteceu nesse período, em que as liberdades foram tiradas", afirmou o socialista.

LEIA TAMBÉM

» Em ação no MP, PT pede punição a Bolsonaro por ‘apologia à ditadura’

» Paulo Coelho conta como foi torturado durante a ditadura militar

» Projeto de lei criminaliza apologia à ditadura militar

» Bolsonaro compara relação entre ditadura e vítimas com casamento desfeito

» Em PE, MPF alerta Forças Armadas que não façam homenagem à ditadura

» Bolsonaro nega ditadura e diz que comemoração do golpe de 64 será restrita a quartéis

"A gente não quer mais ditadura, repressão, arbítrio", disse ainda. "Para isso não acontecer, é importante lembrar o passado e o mal que ações como essa trouxeram ao Brasil, a Pernambuco e tiraram a vida de muitas pessoas".

Foto: Hélia Scheppa/Divulgação

 

 

Padre Henrique era auxiliar de dom Helder Câmara, no período inicial da ditadura militar. A Comissão da Verdade investigou a morte dele e apontou a motivação política. De acordo com a apuração, o objetivo era de atingir dom Helder, então arcebispo de Olinda e Recife.

O assassinato de padre Henrique completa 50 anos. Em 27 de maio de 1969, quando tinha 29 anos, ele foi sequestrado, torturado e morto a tiros. O corpo foi encontrado em um terreno baldio, na Cidade Universitária, na Zona Oeste do Recife. Havia marcas tiros na cabeça, cordas no pescoço e facadas. Em 1986, o caso foi arquivado, por falta de provas. Em 2013, a Comissão da Verdade apontou os autores.

Últimas notícias