Na Bahia, Bolsonaro fala em 'xiitas ambientais' e 'repulsa por quem não é brasileiro'

Blog de Jamildo
Blog de Jamildo
Publicado em 23/07/2019 às 16:42
Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República
Leitura:

Em visita à Bahia quatro dias após crise com governadores nordestinos, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticou o que considera um "aparelhamento" do Estado por ONGs internacionais. "Não temos preconceito com ninguém, mas temos uma profunda repulsa com quem não é brasileiro", afirmou em discurso.

Bolsonaro participou da inauguração do Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, a cerca de 500 quilômetros de Salvador, nesta terça-feira (23).

Na cerimônia, voltou a defender o fim da estação ecológica de Tamoios, em Angra dos Reis, em busca de uma maior exploração turística na região.

LEIA TAMBÉM

» Bolsonaro faz aceno e diz que quer ACM Neto presidente

"Quero transformar a baía de Angra numa Cancún (no México). A baía de Angra fatura quase zero. Por quê? Por causa dos 'xiitas ambientais', desses que fazem uma campanha enorme contra o Brasil lá fora. Não sei por que essa gente tem tanto amor com ONGs estrangeiras. O Estado está aparelhado, é um trabalho hercúleo desaparelhá-lo", afirmou.

Bolsonaro disse ser "amante do turismo" e citou o pernambucano Gilson Machado Neto, presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), classificando-o como "cabra da peste".

De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a estação foi criada em 1990 "com o objetivo de proteção integral para a realização de pesquisa e monitoramento dos ambientes marinhos e das ilhas da Baía da Ilha Grande". A área representa 5,69% da baía, onde são atividades como a pesca, pela qual Bolsonaro foi multado em 2012 - a infração foi suspensa, provocando polêmica.

De acordo com o jornal O Globo, a estação ecológica é pré-requisito para o funcionamento das usinas nucleares de Angra 1 e Angra 2, devido a um decreto que prevê a obrigatoriedade de que elas operem em unidades de conservação.

Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República - Foto: Alan Santos/Presidência da República

Últimas notícias