Bolsonaro está namorando a ideia do autoritarismo, diz Felipe Santa Cruz

Blog de Jamildo
Cadastrado por
Blog de Jamildo
Publicado em 31/07/2019 às 12:15
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, apontou, em entrevista à Rádio Jornal nesta quarta-feira (31), uma tendência autoritária de Jair Bolsonaro (PSL). "O presidente da República está flertando, namorando a ideia do autoritarismo. É uma reflexão que todos nós, democratas, temos que ter", afirmou.

Na última segunda-feira (29), Bolsonaro usou o desaparecimento do pai dele, o pernambucano Fernando Santa Cruz, para atacá-lo. Fernando foi preso em 1974, durante a ditadura militar. De acordo com a Comissão da Verdade, agentes da repressão foram responsáveis pelo assassinato dele. O corpo nunca foi encontrado.

LEIA TAMBÉM

» Ataque de Bolsonaro a Santa Cruz tem ‘implicações jurídicas’, diz procuradoria

» Marco Aurélio Mello sugere ‘aparelho de mordaça’ para conter Bolsonaro

» Felipe Santa Cruz aponta ‘crueldade’ de Bolsonaro e diz que família quer explicação

» Bolsonaro: Se o presidente da OAB quiser saber como o pai dele desapareceu, eu conto

Primeiro, a jornalistas, o presidente afirmou que, "se um dia o presidente da OAB quiser saber como o pai dele desapareceu no período militar, eu conto para ele". Horas depois, Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo pelo Facebook, enquanto cortava o cabelo, e acusou a Ação Popular (AP), movimento do qual Fernando Santa Cruz fazia parte, de matá-lo em "justiçamento". Essa versão não é a que aparece nos documentos oficiais, que apontam o Estado como culpado.

Felipe Santa Cruz criticou a atitude de Bolsonaro. "O presidente da República com absoluto desdém, enquanto corta cabelo, enfia uma faca nessa ferida, abre essa ferida a frio", afirmou. Ele também criticou os tios, que falaram em coletiva de imprensa nessa terça-feira (30), no Recife, em reabrir o caso

PROJETO COMPROVA

» Pai de presidente da OAB foi vítima do regime militar e não dos próprios companheiros

O presidente da OAB disse ter recebido apoio de diversos setores, dos campos mais progressistas e conservadores. "O que importa aqui é quem defende a democracia. Há setores da sociedade brasileira radicalizados, trabalhando contra as instituições, com interesses que eu reputo até que não são interesses nacionais. Esses setores vão testando os limites institucionais. Quando a imprensa reage com firmeza como reagiu, a Ordem reage com firmeza, o campo democrático reage com firmeza, nós vamos colocando um limite nesse discurso autoritário. O país já pagou um preço muito caro na sua história para a reconstrução da democracia. Esse é o divisor de águas mais importante", afirmou ainda Felipe Santa Cruz.

Impeachment de Bolsonaro

O presidente da OAB afirmou que vai apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de explicações, mas negou que vá tentar entrar com um pedido de impeachment do presidente. "Nós vamos fazer esse pedido porque o presidente declarou saber de fatos que a minha família não sabe", afirmou. "Vários juristas têm defendido que há um possível crime de responsabilidade nessa fala do presidente, mas aqui eu quero separar o filho do presidente da Ordem".

Para Felipe Santa Cruz, Bolsonaro "tem agido com falas impróprias ao presidente da República". Para ele, o pai "teve a memória ofendida por declarações do presidente que são absolutamente inconcebíveis. Lamentáveis, difíceis até de qualificar, cruéis".

LEIA TAMBÉM

» Ex-presidente da OAB de Pernambuco diz que Bolsonaro ‘é maluco’

» ‘Uma tristeza’, diz Daniel Coelho sobre ataque de Bolsonaro ao presidente da OAB

» Bolsonaro mostra toda a sua ‘desumanidade’, diz João Campos

» ‘Inaceitável’ diz Jarbas sobre fala de Bolsonaro

"Isso não desrespeita apenas a família Santa Cruz, isso desrespeita a todos os desaparecidos políticos que ele possa saber. O presidente então vem dizer que ele tinha contato com os porões da ditadura, com as pessoas que executavam nessas missões de aniquilamento e desaparecimento dos adversários da ditadura militar. É obrigação constitucional do presidente da República que ele esclareça os fatos ou não. Se ele não sabe nada a não ser de ‘ouvir dizer’, ele está atentando contra a honra de uma pessoa desaparecida há mais de 45 anos".

De acordo com a Comissão da Verdade, o delegado aposentado do DOPS Cláudio Guerra revelou em 2012 que Fernando Santa Cruz e outros presos tiveram seus corpos incinerados no forno de uma usina em Campos, no Rio.

Últimas notícias