Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

Paulo Câmara diz que 'não vai entrar na rinha' com Bolsonaro

Fillipe Vilar
Fillipe Vilar
Publicado em 07/08/2019 às 21:10
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

Em coletiva após reunião do Pacto Pela Vida, na manhã desta quarta-feira (7), o governador Paulo Câmara (PSB) afirmou que vai evitar conflitos diretos com o presidente Jair Bolsonaro (PSL). "Não vamos entrar na rinha. Vamos trabalhar com celeridade para ajudar o Brasil". 

Sobre as recentes afirmações de Bolsonaro sobre os governadores do Nordeste, Câmara rebateu: "Essas declarações não contribuem em nada".

Ao ser questionado sobre a proposta de reforma previdenciária para estados e municípios, a chamada "PEC paralela", Paulo Câmara foi pouco enfático. "Essa discussão vai começar ainda, a PEC não existe formalmente. Estamos preocupados com outros temas federativos, como a cessão onerosa, a alteração da FPR, questões relacionadas ao fundo social", afirmou.

LEIA TAMBÉM

»‘Governadores do Nordeste agem para dividir o País’, diz Bolsonaro

»Sem ‘desculpa’ para não incluir estados e municípios na reforma, diz Patriota

»Luciana Santos debate reforma tributária em Fórum de Governadores

Violência

O governador também falou do número de homicídios em Pernambuco, que caiu para 245. "São números que não víamos desde 2013". Por ainda ser um número muito alto de crimes que resultam em morte, o socialista disse que não era um fato para se comemorar. "Poucos acreditavam que conseguiríamos ter esses resultados, já tivemos meses com mais de 500 assassinatos. Mas ainda temos muito o que fazer", disse.

"Em 2018 nós tivemos a maior redução do Brasil em quantidade de homicídios. Nos últimos sete meses de 2019 estamos com 23% de redução", continuou.

"Desde 2017 nós estamos contratando na Polícia Militar, na Polícia Civil e na Polícia Científica", afirmou. "Em 2020 teremos um novo efetivo para atuarmos na repressão (aos crimes), mas sobretudo na prevenção", concluiu.

 

 

 

Últimas notícias