Túlio Gadelha quer que defesa do golpe de 64 vire crime no Brasil

jamildo
jamildo
Publicado em 04/12/2019 às 17:12
Leitura:

O deputado federal Túlio Gadêlha (PDT-PE) protocolou, nesta terça-feira (3), parecer para o Projeto de Lei 980/15. O PL 980/15, de autoria do ex-deputado Wadson Ribeiro, versa sobre a criminalização da apologia ao retorno da ditadura militar ou a pregação de novas rupturas institucionais.

De acordo com sua assessoria, o substitutivo do pedetista, apresentado à Comissão de Cultura, propõe a criminalização do negacionismo histórico e diversas ações com o objetivo criar uma cultura de valorização da democracia e dos direitos humanos.

LEIA TAMBÉM

» PT aciona PGR, CGU e Conselho de Ética por vídeo sobre golpe de 1964

» Palácio do Planalto distribui vídeo em defesa do golpe militar de 1964

» Bolsonaro ataca pai de Bachelet, morto na ditadura chilena, e é criticado por Piñera

» Projeto de lei criminaliza apologia à ditadura militar

» Bolsonaro compara relação entre ditadura e vítimas com casamento desfeito

O relatório prevê crime, passível de multa ou detenção de três a seis meses, a prática de se promover comemorações oficiais e o negacionismo em relação a existência do regime civil-militar de 1964 a 1985.

“Não cabe a alegação do direito fundamental à liberdade de expressão, previsto na Constituição Federal, para emitir opiniões que venham comemorar, fazer apologia à ditadura militar e negar a existência desse período de exceção de nossa história, uma vez que isso fere frontalmente outros direitos fundamentais e atenta-se contra o Estado Democrático de Direito, que constitui princípio constitucional basilar – o artigo 1º da Constituição Federal”, diz Gadêlha, no relatório.

» Paulo Câmara critica comemoração do golpe de 64

» Bolsonaro estimula celebração do golpe militar de 1964

» Comprova: Pai de presidente da OAB foi vítima do regime militar e não dos próprios companheiros

» Bolsonaro se reúne com viúva de Ustra e o chama de ‘herói’

» TRF2 aceita denúncia sobre tortura e estupro na ditadura militar

O parlamentar propõe a proibição de homenagem a pessoa que tenha praticado atos de violação aos direitos humanos durante a ditadura, na denominação de bem público, de qualquer natureza, pertencente à União ou à administração indireta.

Além de construção de estátuas e monumentos, bem como a utilização de placas, retratos, bustos e outros objetos que enalteçam a memória.

Dentre as medidas propostas, está a alteração da Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB). O objetivo é propor que as disciplinas sejam trabalhadas dando a importância ao Estado Democrático de Direito e a valorização dos direitos humanos, como valores fundamentais de nossa cultura.

Últimas notícias