Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

‘O Brasil haverá de ser uma pátria livre e socialista’, diz vice-prefeito do Recife

jamildo
jamildo
Publicado em 04/03/2020 às 16:22
Foto:Beto Figueirôa/JC Imagem
Matriz: 35mm
Data:05/09/2004
Assunto: POLÍTICA - ELEIÇÕES 2004 - CARREATA - JOÃO PAULO - RECIFE - Carreata de João Paulo( PT ) candidato a prefeito do Recife. Ele está em pimeiro lugar nas pesquisas seguido por Cadoca e Joaquim Fracisco. Na foto destaque para Luciano Siqueira(e), João Paulo(c) e Luciana Santos(d).
Foto:Beto Figueirôa/JC Imagem Matriz: 35mm Data:05/09/2004 Assunto: POLÍTICA - ELEIÇÕES 2004 - CARREATA - JOÃO PAULO - RECIFE - Carreata de João Paulo( PT ) candidato a prefeito do Recife. Ele está em pimeiro lugar nas pesquisas seguido por Cadoca e Joaquim Fracisco. Na foto destaque para Luciano Siqueira(e), João Paulo(c) e Luciana Santos(d).
Leitura:

Uns saíram sob ruidoso silêncio, muitos são recebidos com festa

Por Luciano Siqueira, especial para o Blog de Jamildo

Neste mês de março, precisamente dia 25, o PCdoB completa 98 anos de existência ininterrupta. Um fato extraordinário num país em que partidos políticos sempre foram conjunturais, de vida curta e consistência teórico-programática apenas relativa.

É fato que o PSB, reorganizado em 1985, tem permanecido desde então. E o PT acaba de completar seus 40 anos. O PDT idem.

Mesmo o novamente chamado MDB, que dividiu com a Arena – ambos permitidos pelo regime militar – uma espécie de dualismo diante do poder central de então, já conta um tempo razoável de existência. E se considerarmos o atual Democratas descendente direto da Arena, PDS e PFL – siglas em que se foi transmutando a agremiação original -, a esse partido também há que se reconhecer certa longevidade.

Mas num lapso de tempo mais largo, de quase uma centena de anos, o PCdoB tem a primazia de uma permanência excepcionalmente prolongada, apoiada certamente na base social proletária com que se identifica ideológica e politicamente, na sua matriz teórica marxista, na determinação em jamais perder seus laços com o povo, na habilidade tática que adquiriu mediante prolongada práxis.

Natural que em sua longa trajetória o Partido registre a deserção de quadros de certa proeminência, que após construírem toda a sua militância e sua reputação pública nas hostes comunistas tenham se desligado e adotado outro rumo.

Alguns em tempo recente.

Destacados quadros políticos. Respeitados publicamente, prestigiados por seus camaradas dirigentes e militantes.

Lembrando Cartola em sua primorosa canção “O mundo é um moinho”, alguns desses reduziram seu papel na cena política imediata e se apequenaram historicamente, ainda que não tenham necessariamente caminhado para “o abismo cavado com os próprios pés”.

Importa, entretanto, assinalar o ensurdecedor silêncio que tem cercado as desistências, por razões fúteis, de quadros outrora tão destacados.

Nada de lamentações.

Nenhum sentimento de perda “irreparável”.

Apenas o registro negativo por terem se revelado tão frágeis diante de dificuldades próprias da conjuntura adversa ou optado por projetos pessoais que supõem viabilizar através de atalhos ideológicos e político-partidários.

E a vida segue.

A luta coloca o velho e renovado Partido Comunista do Brasil diante de novos desafios, que enfrenta com firmeza de princípios e agudo senso tático.

Recentemente, o PCdoB recebeu em seu seio toda uma organização política constituída por quadros provados na luta teórica e prática e todo um cortejo de aguerridos militantes – o Partido Pátria Livre, PPL -, de matriz revolucionária comum.

Um reforço extraordinário que a História haverá de registrar com destaque.

E no percurso atual, justamente por se apresentar como organização política sólida e de consistente descortino estratégico, quadros políticos experientes e provados em outras hostes, agora desejosos de aprofundarem sua prática transformadora, aderem a essa corrente política constituída desde março de 1922. E trazem na bagagem importantes contribuições.

Ponto para o projeto estratégico.

Ponto para a possibilidade tática de novos avanços.

O socialismo vive e o Brasil haverá de ser uma pátria livre e socialista.

Últimas notícias