Bahia autoriza tratamento com hidroxicloroquina e azitromicina para pacientes com coronavírus

José Matheus Santos
Cadastrado por
José Matheus Santos
Publicado em 09/04/2020 às 10:44
Rui Costa, governador da Bahia (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Rui Costa, governador da Bahia (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Leitura:

O secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, anunciou nesta quarta-feira (8) que o Governo do Estado vai liberar, mediante prescrição médica, o uso da associação dos medicamentos hidroxicloroquina e azitromicina para pacientes internados no Sistema Único de Saúde (SUS) com diagnóstico positivo para coronavírus (Covid-19).

A deliberação ocorreu durante reunião da comissão científica criada pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) para analisar as evidências científicas envolvendo a covid-19.

LEIA TAMBÉM:

-> Governo autoriza novos saques de contas ativas e inativas do FGTS

-> Fabricantes de confecções comemoram recomendação do MPPE para retornar às atividades de forma parcial

-> Compesa propõe redução de salários e funcionários reagem

-> Deputado estadual Paulo Dutra (PSB) testa positivo para o novo coronavírus

De acordo com Vilas-Boas, que preside a comissão, “a recomendação é que os pacientes hospitalizados recebam os medicamentos o mais precocemente possível após a internação”, ao apontar que temos estoque suficiente para atender até 50 mil pacientes.

Já o infectologista e presidente do Comitê Estadual de Combate ao Coronavírus, Antônio Bandeira, disse que “outras alternativas terapêuticas também serão disponibilizadas para emprego no tratamento de pacientes hospitalizados, tais como Ivermectina e Tocilizumabe”.

O pesquisador e infectologista Roberto Badaró, integrante do Comitê Científico do Consórcio Nordeste e diretor do Instituto de Ciências da Saúde do Cimatec, explica como funciona a adoção de protocolos.

“A experiência já acumulada nos direciona pra saber quem deve tomar hidroxicloroquina, quem não deve, quem deve ficar em casa e quem deve ser hospitalizado e tratado o mais precocemente possível. E isso só consegue ser ordenado se fizermos esses protocolos. E eles são feitos por quem tem experiência e responsabilidade com a saúde pública”, afirmou.

Últimas notícias