Onde estão os aliados de Sergio Moro?

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 23/04/2020 às 22:05
Jair Bolsonaro e Sergio Moro (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Jair Bolsonaro e Sergio Moro (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Leitura:

Manoel Fernandes, da Bites, em informe ao blog

Sergio Moro é o ministro mais popular do governo Bolsonaro e dono da maior base de fãs nas redes sociais entre os seus colegas na Esplanada dos Ministérios com 5,3 milhões de fãs no Twitter e Instagram.

No último Datafolha, o ex-juiz alcançou a taxa de 53% de ótimo e bom contra 30% do seu chefe.

Hoje, quando a notícia da sua possível saída do Ministério da Justiça começou a se propagar na opinião pública digital, centenas de milhares de posts foram publicados no Twitter e os sites da mídia profissional e alternativa tinham produzido até às 20h de hoje 1.200 textos sobre a nova crise em Brasília.

> Bolsonaro exonera diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, indicado por Sergio Moro

Mesmo nesse intenso movimento de informação na Internet, um fato chamou atenção. O Sistema Analítico BITES não havia identificado até às 20h uma ação contínua e estruturada em defesa de Moro nas redes sociais.

Esse padrão de comportamento também se reproduziu entre os deputados federais.

Nas suas contas oficiais no Twitter, Instagram e Facebook, os parlamentares publicaram 147 posts sobre a crise da saída de Moro, mas a hegemonia com 123 citações ao episódio foi da oposição.

Não em defesa do ministro e sim em apoio à Polícia Federal.

Esses textos nas redes sociais registaram 110 mil interações (compartilhamentos, comentários, curtidas e retuítes).

O bloco dos governistas foi mais econômico e publicou 21 posts nas suas contas.

As hashtags positivas criadas para defender o ministro no Twitter, como #FicaMoro, #MoroFica e #Moro2022, foram utilizadas em 34 mil posts nessa rede social.

É um volume 2,5 vezes menor do que aconteceu com o ex-ministro Luís Henrique Mandetta em 06 de abril, quando o presidente Bolsonaro fez a primeira tentativa de demissão.

Em outra comparação, hoje, o conjunto de hashtags negativas sobre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, havia sido associado em 396 mil tweets.

Narrativa contra a mídia

Os bolsonaristas tentaram construir uma narrativa que a notícia da saída não seria verdadeira e, portanto, deveria ser desconsiderada.

Nessa percepção, a imprensa mais uma vez seria a grande responsável por criar um movimento contra o presidente.

Foi essa imagem que os grupos bolsonaristas nas redes sociais tentaram propagar junto à opinião pública digital. A associação dos termos imprensa marrom, fake news, extrema imprensa e notícia irresponsável apareceram em 70 mil tweets sobre Sérgio Moro, o equivalente a 15% de todos os tweets produzidos sobre o ministro até às 20h30.

Últimas notícias