Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

TCE envia alerta ao Governo de Pernambuco e aponta suposto sobrepreço em hospital de campanha de Serra Talhada

José Matheus Santos
José Matheus Santos
Publicado em 13/07/2020 às 11:24
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Leitura:

O Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) enviou um alerta de responsabilização ao Governo do Estado após auditores terem apontado supostos "indícios de sobrepreço" e "indício de prejuízo ao erário" na contratação sem licitação do Hospital de Campanha Governador Eduardo Campos, em Serra Talhada, no Sertão.

O relator das contas da saúde do Estado, conselheiro Carlos Porto, acatou a manifestação dos auditores do TCE e enviou o "alerta" ao secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo.

LEIA TAMBÉM:

> Mortes de pretos e pardos por doenças respiratórias crescem mais de 70% durante a pandemia, apontam cartórios

> Procurador-geral da República envia recomendação do MPF-PE sobre recursos da covid-19 para Paulo Guedes: ‘riscos para operações policiais’

> No Agreste, comércio de rua, igrejas e salões de beleza reabrem nesta segunda-feira (13)

> Bares, restaurantes e academias têm data para reabrir no Grande Recife e na Zona da Mata de Pernambuco

As supostas irregularidades foram apontadas em despacho técnico, pelos auditores no TCE, na "obra de construção do Hospital de Campanha Governador Eduardo Campos, em Serra Talhada/PE (relativo à Dispensa de Licitação 103/2020, Contrato 54/2020 da Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco)".

O valor do contrato feito de forma emergencial e sem licitação foi de R$ 1.327.311,85 (um milhão, trezentos e vinte e sete mil, trezentos e onze reais e oitenta e cinco centavos).

Análise dos auditores

Segundo a análise dos auditores do TCE, houve um suposto prejuízo ao erário no montante total de R$ 299.382,41 (duzentos e noventa e nove mil, trezentos e oitenta e dois reais e quarenta e um centavos). Ainda segundo o despacho dos auditores, parte deste suposto prejuízo é decorrente "R$ 149.880,00 nos itens de serviço 3.3, 3.4, 4.1, 4.2 da planilha contratada". E, segundo os auditores, parte são "R$ 149.502,41 decorrente de ausência de regramento para reaproveitamento, após desmonte do hospital, dos itens comprados, ou seja, não alugados".

> Pernambuco libera abertura de clubes para prática de esportes individuais e aulas práticas em faculdades a partir desta segunda-feira (13)

O relator também apontou "o risco de lesão ao erário, caso não seja tomada uma rápida providência" pelo Governo de Pernambuco.

"Os pagamentos da obra serão realizados durante o prazo previsto de seis meses para a sua duração, podendo ser um período ainda menor, de acordo com a necessidade", diz o ofício do TCE.

Conselheiro Carlos Porto, do TCE-PE. Foto: Vicente Luiz/TCE-PE

O ofício recomenda que o secretário André Longo "promova as correções dos achados retromencionados e apontados no Despacho Técnico, sob pena de apontamento de excesso por superfaturamento".

O ofício do TCE foi recebido na Secretaria de Saúde de Pernambuco na semana passada. O secretário André Longo foi informado que "a Coordenadoria de Controle Externo do TCE acompanhará o cumprimento" do alerta.

André Longo assinou em 2 de julho o contrato de gestão da organização social de saúde (OSS) que irá gerir o Hospital de Campanha de Serra Talhada. Os serviços ficarão sob responsabilidade da OSS Hospital do Tricentenário.

Veja protocolos e cidades que poderão reabrir bares e restaurantes no dia 20 em Pernambuco

Em relação ao alerta, o Governo do Estado emitiu alerta na qual diz que a contratação do Hospital de Campanha obedeceu todos os trâmites legais e que as informações detalhadas já foram repassadas ao Tribunal de Contas do Estado. 

Leia a nota na íntegra 

Em resposta à matéria publicada, a Secretaria Estadual de Saúde informa ter recebido com tranquilidade o Alerta de Responsabilização emitido pelo Conselheiro Carlos Porto sobre a obra de construção do Hospital de Campanha Governador Eduardo Campos.

A contratação da empresa responsável pela obra observou os requisitos legais e seu orçamento estimativo elaborado em consonância com as orientações do Tribunal de Contas da União para orçamentação de obras públicas.

Ao apontar um suposto sobrepreço em alguns itens do orçamento, por divergirem da planilha do Hospital Mestre Vitalino, a equipe de auditoria, com o devido respeito, deixou de observar que, além de se localizarem em municípios diferentes, os dois hospitais apresentam áreas distintas, o que justifica a diferença de custos.

Além disso, diferentemente do apontado no relatório de auditoria, após a desmontagem do hospital de campanha, os itens comprados (ou seja, não alugados) serão devidamente reaproveitados na manutenção das instalações das unidades de saúde da rede estadual, de modo que a opção pela aquisição não gerou qualquer prejuízo ao erário.

Destaca-se que todos os esclarecimentos acima já foram prestados ao TCE/PE por ofício protocolado desde o dia 09/07/2020.

Últimas notícias