Clarissa Tércio critica liberação do plantio de maconha

jamildo
jamildo
Publicado em 08/09/2020 às 14:57
Leitura:

Em vídeo postado em sua rede social, a deputada Clarissa Tércio criticou o plantio da cannabis para uso medicinal.

O tema veio a debate, por conta do Projeto de Lei nº 399/2015, em tramitação no Câmara dos Deputados, prevendo a liberação do cultivo da maconha.

Na postagem, a parlamentar e seu marido, Júnior Tércio, pastor e candidato a vereador, chamaram atenção para os danos que o uso que a planta faz, na saúde e na vida de jovens e de suas famílias, muitas vezes, segundo eles, irreversíveis.

"A família brasileira é contra! principalmente aquelas que conhecem de perto os estragos devastadores que a maconha faz na saúde e na vida dos jovens e das suas famílias. Muitas mães perderam seus filhos para sempre, para as drogas. Sabemos que existem outros interesses por traz desse projeto, que extrapolam apenas o uso medicinal", disse a parlamentar bolsonarista, sem ser clara.

"Os defensores da liberação do cultivo da Cannabis dizem que isto auxiliaria no tratamento neurológico de algumas crianças, mas, na verdade, o que desejam é aprovarem esse projeto, de forma "sorrateira", abrindo precedente para a liberação de forma indiscriminada da maconha. Não podemos permitir que esse projeto seja aprovado! Vamos nos mobilizar em prol da vida de nossos jovens", disse Clarissa.

O objetivo da contestação pode ser apenas levantar a bola do marido, candidato no Recife a vereador.

"O Pastor Júnior Tércio realiza há nove anos, um trabalho voltado ao atendimento de homens que enfrentam problemas com drogas e, portanto, conhece de perto os prejuízos causados pelo uso das drogas", apresenta a deputada.

“São relatos diários dos males que as drogas fazem na vida dessas pessoas. A droga não só destrói, como rouba a dignidade de quem a usa. Sabemos que a maconha é a porta de entrada para outras drogas mais fortes, e tudo começa apenas com o uso recreativo. Um abismo atrai outros abismos e, muitas vezes o caminho seguido não tem mais volta", disse o pastor-candidato.

Últimas notícias