Pernambuco supera 8,5 mil mortes por coronavírus

José Matheus Santos
Cadastrado por
José Matheus Santos
Publicado em 21/10/2020 às 12:28
Foto: Pixabay
Foto: Pixabay
Leitura:

A Secretaria de Saúde de Pernambuco registrou, nesta quarta-feira (21), 624 novos casos da covid-19.

Entre os confirmados hoje, 34 são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 590 são leves.

Agora, Pernambuco totaliza 157.418 casos confirmados da doença, sendo 26.781 graves e 130.637 leves.

LEIA TAMBÉM:

> ‘Ideologia em temas como a saúde só prejudica a população’, diz Paulo Câmara após Bolsonaro criticar vacina chinesa contra covid-19

> Sindicato dos educadores diz que Governo de Pernambuco ‘atropela’ negociações sobre volta às aulas presenciais|

Também foram confirmados 14 novos óbitos.

Com isso, o estado totaliza 8.519 mortes pela covid-19.

'Ideologia em temas como a saúde só prejudica a população', diz Paulo Câmara

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), disse que a influência de ideologias em temas fundamentais à sociedade prejudica a população. 

A declaração de Câmara ocorreu na manhã desta quarta-feira (21) em redes sociais e ocorreu horas após o presidente Jair Bolsonaro dizer que o governo federal não vai comprar vacinas chinestas.

LEIA TAMBÉM: Candidato à reeleição em Olinda, Lupércio testa positivo para covid-19 e é internado

Por sua vez, Bolsonaro fez a afirmação um dia após o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciar acordo para a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa contra covid-19. Após Bolsonaro vetar negociações, o Ministério da Saúde recuou nesta quarta e disse que a fala do ministro foi "mal interpretada".

“A influência de qualquer ideologia em temas fundamentais, como a saúde, só prejudica a população. Defendemos que todas as vacinas consideradas seguras, avalizadas pelas autoridades, sejam disponibilizadas ao povo brasileiro. É preciso dar este passo na superação da Covid-19”, escreveu Paulo Câmara.

Bolsonaro critica a CoronavAC

Com informações do portal Terra

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quarta-feira (21), que a vacina contra o novo coronavírus produzida na China "não será comprada" pelo governo brasileiro.

A mensagem foi publicada no Facebook, em resposta a um comentário de um usuário crítico ao anúncio do Ministério da Saúde de que tem a intenção de adquirir 46 milhões de doses da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida pelo Instituto Butantã.

"Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da Ditadura chinesa", comentou um usuário.

O presidente respondeu: "NÃO SERÁ COMPRADA", em caixa alta. A outra usuária que disse para o presidente exonerar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, "urgente" porque ele estaria sendo cabo eleitoral do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), Bolsonaro respondeu que "tudo será esclarecido hoje". "NÃO COMPRAREMOS A VACINA DA CHINA", disse, em caixa alta.

LEIA TAMBÉM:

> Com impasse, aulas presenciais são retomadas em escolas da rede estadual de Pernambuco

> ‘Não será comprada’, diz Bolsonaro sobre vacina chinesa para covid-19 um dia após Pazuello anunciar acordo

A outro usuário que disse que Pazuello os traiu ao comprar a vacina chinesa e disse que o presidente "se enganou mais uma vez", Bolsonaro afirmou que "qualquer coisa publicada, sem qualquer comprovação, vira TRAIÇÃO".

Na terça-feira (20), o Ministério da Saúde assinou um protocolo de intenções para adquirir 46 milhões de doses da Coronavac. O acordo foi fechado durante reunião do ministro de Pazuello com governadores.

"A vacina do Butantã será a vacina do Brasil", disse Pazuello, ao anunciar o acordo. Na reunião desta terça, a expectativa era de que a aquisição ocorresse até o fim do ano, após o imunizante obter registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e que a vacinação começasse já em janeiro.

O ministério informou que investirá R$ 1,9 bilhão na compra. O recurso extra será liberado por medida provisória.

Últimas notícias