Rodrigo Maia diz que vai pedir saída do DEM e critica ACM Neto: 'entregou a nossa cabeça numa bandeja para o Planalto'

José Matheus Santos
Cadastrado por
José Matheus Santos
Publicado em 08/02/2021 às 9:45
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Leitura:

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia criticou o presidente do DEM, ACM Neto, a quem chamou de "um amigo de 20 anos", de traição por não apoiar a candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP) na disputa pelo comando da Casa, vencida pelo candidato Arthur Lira (PP-AL), apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Mesmo a gente tendo feito o movimento que interessava ao candidato dele no Senado (Rodrigo Pacheco/DEM-MG), ele entregou a nossa cabeça numa bandeja para o Palácio do Planalto”, afirma o parlamentar em entrevista publicada no "Valor Econômico" desta segunda-feira (08).

LEIA TAMBÉM:

> Arthur Lira nomeia Silvio Costa Filho como relator do projeto de autonomia do Banco Central na Câmara

> Arthur Lira já é cobrado por volta do auxílio emergencial

Maia confirmou que irá pedir sua desfiliação do DEM ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) "sem pressa ou briga", porém, não adiantou para qual legenda deve migrar. “Estarei num partido que será de oposição ao presidente Bolsonaro”, afirma.

PSDB, PSL e Cidadania já convidaram o parlamentar para integrar os seus quadros.

Ao "Valor Econômico", Maia disse ainda que o movimento conduzido por ACM Neto, de aproximar o DEM do governo Bolsonaro, faz com que o partido volte para "extrema direita dos anos 1980". Ele ainda criticou o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, de trabalhar nos bastidores pela aproximação com os rivais durante o processo eleitoral na Câmara. "Foi um processo muito feio do Neto e do Caiado. Ficar contra é legítimo, falar uma coisa e fazer outra não. Falta caráter, né?”

LEIA TAMBÉM:

> ‘Governo Bolsonaro não tem mais desculpas para não destravar agenda de reformas’, diz Armando Monteiro após vitórias de Pacheco e Lira

Veja trechos da entrevista

Retrocesso do DEM

"Trabalhamos a mudança de posicionamento do então PFL até virar DEM em 1995 para tirar a pecha do DNA originário da Arena e se transformar num partido de fato de centro, centro-direita no máximo. O grande problema é que o partido voltou ao que era na década de 1980, para antes da redemocratização. O DEM decidiu majoritariamente por um caminho, voltando a ser de direita ou extrema-direita, que é ser um aliado do Bolsonaro. O projeto do DEM acabou. O Luciano Huck estava 90% resolvido a se filiar ao DEM, se decidisse ser candidato".

Traição de ACM Neto

"Não conversei mais com o Neto. Diferentemente do que ele imagina, na verdade o que o Bolsonaro conseguiu foi quebrar a nossa coluna, que era toda acordada, de que nunca estaríamos no governo Bolsonaro e nunca apoiaríamos o Bolsonaro. Isso eu ouvi do presidente ACM Neto centenas de vezes. A direita está no DNA dele, mas sem o talento do avô (Antônio Carlos Magalhães) e do tio (Luís Eduardo Magalhães), que nunca teriam feito o que ele fez. Não podia imaginar que um amigo de 20 anos ia fazer um negócio desses.

Oposição a Bolsonaro

"Ainda não estou decidindo para qual partido eu vou. Apenas quero deixar claro para os que me acompanham e acompanharam meus quatro anos e sete meses à frente da Câmara que não sou um vendido, que tenho caráter. Estarei num partido que será de oposição ao presidente Bolsonaro. Vou pedir minha saída no TSE, não tenho dez anos. Não vou brigar com ninguém. Estou fazendo crítica política. Hoje posso dizer que sou oposição ao presidente Bolsonaro. Quando era presidente da Câmara, não podia dizer".

Últimas notícias