Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

Antônio Campos leva campanha contra construção de empreendimento em Casa Forte para Câmara Municipal do Recife

jamildo
jamildo
Publicado em 17/05/2021 às 15:18
Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem
Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem
Leitura:

O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, participará nesta quarta-feira (19) de reunião da Câmara de Vereadores do Recife sobre a construção de empreendimento comercial no bairro de Casa Forte, no entorno da Praça. Trata-se de um projeto do Atacadão dos Presentes, torpedeado pela Fundaj sob a gestão Bolsonaro.

Fundaj 'cobra' debate sobre novo empreendimento em Casa Forte

A audiência pública virtual foi solicitada pela vereadora Liana Cirne (PT) após o presidente da Fundaj se manifestar publicamente contra o empreendimento que, na avaliação dele, impactará negativamente o trânsito no bairro.

Será realizada das 17h às 19h.

Na última sexta-feira (14), o presidente da Fundaj enviou um e-mail solicitando vistas do processo que licencia o projeto Burle Marx Open Mall, às margens de área tombada na Praça de Casa Forte, o Jardim de Burle Marx. Antônio Campos contatou o Conselho de Desenvolvimento Urbano (CDU) e a Secretaria de Política Urbana e Licenciamento, da Prefeitura do Recife, além do Instituto dos Arquitetos do Brasil, de Pernambuco.

O presidente afirma que o projeto deve passar por uma audiência pública, com depoimentos dos moradores do bairro antes da aprovação.

Além de supostos problemas no trânsito de Casa Forte, com a elevação do tráfego de veículos que o empreendimento pode provocar, ele destacou ainda a desconfiguração paisagística do entorno e a poluição sonora que poderá prejudicar o ecossistema local.

A área é protegida pela Lei dos 12 Bairros (Lei nº 16.719), que reconhece o perímetro como zona histórica do Recife.

"Casa Forte não se chama Forte por acaso. Nomeia uma batalha. A capacidade de resistência do povo recifense. De enfrentar as agressões que sofre a cidade", disse.

Últimas notícias