Liana Cirne quer ser recebida por Paulo Câmara no Palácio nesta segunda: 'se existe bolsonarismo na PMPE, que seja desmontado'

José Matheus Santos
José Matheus Santos
Publicado em 31/05/2021 às 11:32
Társio Alves/Foto
Társio Alves/Foto
Leitura:

Durante discurso na manhã desta segunda-feira (31) na Câmara de Vereadores do Recife, a vereadora Liana Cirne (PT) disse que irá, após o término da sessão, ao Palácio do Campo das Princesas, sede do Governo de Pernambuco, na área central da cidade.

No sábado (29), Liana Cirne foi agredida com spray de pimenta por policiais militares durante uma tentativa de negociação para que agentes parassem a repressão a manifestantes contrários ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Centro do Recife.

A parlamentar disse que só sairá da sede do Poder Executivo Estadual após ser recebida pelo governador Paulo Câmara.

"Quando terminar esta reunião ordinária da Câmara, vou me dirigir ao Palácio do Governo. E só sairei de lá quando o governador me receber. Faço questão de acompanhar pessoalmente todos os procedimentos disciplinares contra todos, não só contra os policiais me agrediram, porque isso não é suficiente, mas contra todos os policiais que descumpriram a lei e contra aqueles que planejaram a ação brutal, truculenta, ilícita e violenta que ocorreu no sábado", disse.

"Só vou sair quando for atendida pessoalmente pelo governador, nem que eu tenha que dormir em frente ao Palácio", afirmou Liana.

"Se existe um bolsonarismo no seio da Polícia, que ele seja desmontado, porque a Polícia é maior, o Estado de Pernambuco é maior e o povo do Recife também é maior", disse a vereadora, durante discurso.

Durante a sessão, Liana Cirne recebeu apoio de diversos vereadores do Recife, inclusive de parlamentares da base aliada do prefeito João Campos (PSB), como o líder do governo, vereador Samuel Salazar (MDB).

Liana Cirne é líder da bancada do PT na Câmara do Recife e faz oposição ao atual prefeito da cidade.

Últimas notícias